segunda-feira, 26 de agosto de 2013

Do You Know What’s Really In Your Tea? Food Babe

Tea is something I drink every single day. It’s sacred at my house – I even have a whole drawer devoted to it! I drink it because it is amazing for your health. There are so many varieties of tea that can improve digestion, metabolism and even prevent certain diseases. This investigation into tea ingredients has been in the making for a long time. What I’m about to share with you totally rocked my world forever and I’ll never look at tea in the same way again. Do you really want to know what’s in your tea?…Then read on.
Food Babe's Tea Drawer
The ancient Chinese tradition of drinking tea dates back thousand of years to the early Chinese dynasties and aristocrats who drank the beverage for its medicinal properties. In ancient times, leaves from the Camellia Sinensis (the tea plant) were either ground into a powder or placed as loose leaves directly into water to infuse it with herbal essence. Unfortunately, modern day tea is nothing like the unadulterated version of old tea. Many of today’s tea brands are operating under the guise of providing health benefits and promoting clean living, but are actually laden with pesticides, toxins, artificial ingredients, added flavors and GMOs.
Conventional Teas – An Abundance of Pesticides
Did you know that most tea is not washed before it is put it into bags? That means if the tea was sprayed with cancer-causing pesticides, those pesticides go directly into your cup. And this is the reason why tea is on my organic shopping priority list. To prove this point, here are some shocking facts about one of the most well-known tea brands – Celestial Seasonings.
A recent third-party analysis by Glaucus Research found that 91 percent of Celestial Seasonings tea tested had pesticide residues exceeding the U.S. limits. For example, Sleepytime Kids Goodnight Grape Herbal contained 0.26 ppm of propachlor, which is a known carcinogen under California’s Propsition 65.
The “Wellness” tea line was found to contain traces of propargite, also a known carcinogen and developmental toxin. The FDA has already issued two warning letters to Celestial Seasonings in regard to poor quality control. Imagine what happens when pesticide-laden tea is steeped in boiling water.
If grocery store brands don’t provide a clean option for you, perhaps a high-end loose leaf tea would circumvent some of the issues of grocery store brands. Right? Wrong! Take Teavana, which is found in malls across North America for example. Teavana taps into tea culture with the “Teavana Experience.” Convincing their employees to take customers on a sensory journey – they open a huge canister of loose leaf tea and wave the top of the canister so you can smell the tea – touting all of the wonderful health benefits of tea complete with samples and manipulative demonstrations that end in an expensive visit to the tea shop. Is all the extra money worth it? Are customers getting a superior tea product? No.
Teavana tea was tested by an independent lab and 100 percent of it was found to contain pesticides. One tea in particular, Monkey Picked Oolong, contained 23 pesticides. 77 percent of the teas would fail European Union pesticide import standards, and would be banned from import. 62 percent of the teas tested contained traces of endosulfan, a pesticide that has been banned by the U.S., China, the E.U., and 144 other countries because it has been linked to impaired fertility and could harm unborn babies.
Teas Can Contain Artificial Flavoring, Natural Flavors, and Hidden GMOs
Furthermore, a majority of Teavana teas contain added flavor – specifically “artificial flavoring.” If their tea is so high end, why would they be adding ingredients produced by fractional distillation and chemical manipulation of various chemicals like crude oil or coal tar? Coal tar in my tea? No, thanks.
Many popular tea brands get away with using the ingredient “natural flavors” to trick the consumer into thinking they are buying better, cleaner ingredients; however companies are just covering up the inferior taste and low quality of their tea. Fortunately, there are brands that are putting the kibash on the use of natural flavors and using all real ingredients. I was happy to learn that Ahmed Rahim, CEO of Numi Tea is just as disgusted by this ingredient as I am. He said to me “You can breakdown anything that is found in nature and if it ends up tasting like the flavor you wish to use – you can add it to any product and call it NATURAL FLAVOR on the ingredient label. It could come from a stone in the ground and you’d never know.” This is why when I see the words “natural flavor” listed on a label – I put the product down and run far far away. I want to know what I am eating! Don’t you? Additionally, the added risk of consuming possible GMOs is not something many people think about when consuming teas. Before this investigation and witnessing tea companies using modified corn starch and soy lecithin in tea (additives likely made from genetically engineered corn and soy), I didn’t think about it either! I can’t imagine having a serious soy allergy, considering all the places companies try to hide it.
Why The Tea Bag & Packaging Matters
A recent article in The Atlantic discusses the “silky sachet” and “luxurious mesh bags” that hold loose leaf teas (like in brands Tea Forte and Mighty Leaf). Turns out, these modern day bags meant to showcase the tea leaves, are made of plastic.
PLA (polylactic acid) is a (likely GMO) corn-based tea bag material that has attracted major tea companies due to its nice look and its claims of biodegradability. Terms like “silky sachets” and “corn-based biodegradable tea bags” mislead customers into believing a product is more natural and sustainable than it really is. While the processing for PLA removes all traces of genetic material, it is still made with genetically modified corn. Although the actual tea bag is not an ingredient like teas and herbs, it is an element that is put into boiling water.
According to The Atlantic, tea bags are most commonly made from food grade nylon or polyethylene terephthalate (PET) which are two of what’s considered the safest plastics on the scale of harmful leaching potential. However, Dr. Mercola disagrees, he states:
“While these plastics are generally considered among the safest in terms of leaching potential, the molecules in these plastic tea bags may still in fact break down and leach out when steeped in boiling water…” Well, isn’t that how tea is prepared?
Another temperature consumers need to worry about in tea is the “glass transition” temperature. Here’s the science behind the glass transition temperature or, Tg, and why it becomes dangerous according to The Atlantic:
“That is the temperature at which the molecule in certain materials such as polymers begin to break down. As a rule, the Tg of a material is always lower than the melting point. In the case of PET and food grade nylon (either nylon 6 or nylon 6-6), all have a Tg lower than the temperature of boiling water. For example, while the melting point of PET is 482 degrees Fahrenheit, the Tg is about 169 degrees. Both nylons have a lower glass transition temperature than PET. (Remember that water boils at 212 degrees.) This means the molecules that make up these plastic tea bags begin to break down in hot water.”

So, while the plastic itself won’t melt in your tea, the glass transition temperature could potentially leak out harmful phthalates if there are such things in your tea. Another thing to worry about is that some of the newer tea bags are made with a variety of plastics. Some plastics are nylon, some are made of viscose rayon, and others are made of thermoplastic, PVC or polypropylene.
Beware of paper tea bags too, which can be worse than plastic tea bags.
GET THIS: Many paper tea bags are treated with epichlorohydrin, a compound mainly used in the production of epoxy resins. Considered a potential carcinogen by the National Institute for Occupational Safety and Health2 (NIOSH), epichlorohydrin is also used as a pesticide. When epichlorohydrin comes in contact with water, it hydrolyzes to 3-MCPD, which has been shown to cause cancer in animals. It has also been implicated in infertility (it has a spermatoxic effect in male rats) and suppressed immune function.
So what do you do the next time you want a cup of tea? Antioxidant rich teas aren’t going to do much to counterbalance the chemicals, additives and artificial flavorings in today’s modern teas.
First, I recommend looking at this chart below to see how your favorite tea brand stacks up:
Tea 2
And then when brewing and picking out the safest tea remember these tips:
1. Choose an organic & non-GMO certified brand of tea. (My favorites are Numi, Traditional Medicinals, and Rishi Tea (loose leaf)).
2. Check the ingredient list on the back of the tea package to make sure there are no added flavors, GMO ingredients like soy lecithin and corn starch added to the tea leaves.
3. Make sure the brand you buy uses a safe form of packaging material or buy loose leaf tea and use a stainless steel or glass tea strainer. Have the company verify that bags do not contain epichlorophydrin, and avoid plastic tea bags all together. (Numi and Traditional Medicinals are some of the only brands I trust in this category because they have publicly stated they do not use this harmful ingredient or GMO packaging and are Non-GMO Project verified.)

4. The majority of restaurants use some of the most pesticide ridden tea and brands that have harmful packaging like Celestial Seasonings, Lipton, Bigelow, etc. Don’t fall victim to this. Bring your own tea when eating out or going to restaurants and ask for pot or cup of boiling water (remember to leave a good tip if you do this). I even do this at Starbucks because I like to vote with my dollars and not buy tea brands that are harmful. If you drink iced tea, brew your own at home and carry an insulated water bottle with you.
5. Remember these temps and times for brewing the perfect cup of tea

If you know someone who loves to drink tea, please share this post with them. I was just as shocked as you probably are about all of this craziness – knowing what’s in our tea and what we put in our body matters! Let’s change the world together.
Food Babe

domingo, 25 de agosto de 2013

Food Babe’s Super Detox Juice

  • 1 bunch of dandelion greens
  • ½ bunch celery
  • ½ bunch cilantro
  • 1 cucumber with ends removed
  • 1 lemon with peel removed
  • 2 inches of fresh ginger root
  1. Wash all vegetables thoroughly and place into a large bowl
  2. Juice each vegetable in this order – dandelion, cilantro, celery, ginger, cucumber, lemon
  3. Stir mixture before serving
  4. Clean juicer immediately
Makes two 15 ounce servings – Sip slowly and drink with intention immediately after juicing. Can be stored in an airtight container for up to 12 hours (Some live enzymes will be lost). ***Please buy all organic ingredients if possible***



     1 maço de folhas de dente de leão
     ½ maço de aipo
     ½ maço de coentro
     1 pepino com extremidades removidas
     1 limão com casca removida
     2 centímetros de raiz de gengibre fresco


     Lave todos os legumes bem e coloque numa tigela grande
     Faça sumo com cada um dos vegetais nesta ordem - dente-de-leão, coentro, aipo, gengibre, pepino, limão
     Mexa a mistura antes de servir
     Limpe sempre o espremedor IMEDIATAMENTE

Faz duas porções de 15 onças - beba devagar e beber com intenção vigor imediatamente sumo. Pode ser armazenado em um recipiente hermético por até 12 horas (algumas enzimas vivas serão perdidas).
Por favor, compre todos os ingredientes orgânicos se possível, ***

quarta-feira, 21 de agosto de 2013

Sem fogão, com sabor

Já imaginou comer pratos deliciosos feitos apenas com alimentos crus e germinados? Pois essa é a proposta da alimentação viva. Prepare-se para se surpreender

Nada de frigideira, forno, processados ou refinados. A culinária viva baseia-se no consumo de sementes germinadas, verduras, legumes e frutas cruas, além de fermentados e desidratados. Não entra nada de origem animal ou que tenha sido aquecido acima de 38 °C. Mas então o que sobra?, você deve estar se perguntando. Pois é. Na minha ingênua concepção, só restavam saladas e sucos. Até eu entrar na chamada "cruzinha" para ajudar no preparo de um almoço vivo, na Associação Terrapia, no Rio de Janeiro. Eu estava ansiosa, desconfiada - e curiosa.

Não por muito tempo, porém. Tudo ficou pronto logo e a mesa, lindamente posta, era um festival de cores e cheiros. Depois de agradecer pelo alimento, sentamos e começamos com o risoto de cenoura com nirá e a pizza de queijo de castanhas germinadas com massa de trigo também germinado. Minha desconfiança foi embora na primeira garfada. Como pode um risoto amornado (aquecido até uma temperatura que a mão suporte) ter tanto sabor? E uma pizza sem farinha nem leite ter uma textura tão agradável?

A filosofia nos grãos

A alimentação viva propõe estar em equilíbrio com a Terra e perceber o que somos, o que comemos e o que escolhemos ser. "É mais do que culinária, é uma questão de escolha pessoal", diz Ana Branco, professora de design da PUC-RJ e criadora do Projeto Biochip, que estuda e ensina técnicas para utilização de alimentos vivos. Outro projeto referência no assunto é o Terrapia, centro de alimentação viva que também promove, por meio de cursos, uma reflexão sobre o modo de estar no planeta. Os adeptos da dieta viva acreditam que o ato de comer é uma forma de se posicionar no mundo: da escolha por alimentos locais e orgânicos ao descarte dos restos em composteiras, tudo é pensado para ter o menor impacto no ambiente e dar continuidade ao ciclo da matéria orgânica.

A proposta me pareceu tão interessante que resolvi passar uma semana experimentando viver só de "vivo", como os adeptos chamam. Os sabores eu já sabia serem bons. O exercício mais difícil, como descobri depois, foi a socialização com amigos em bares e restaurantes. Nem sempre havia opções e passei a sair por aí com frutas e amêndoas na bolsa. Mas eu estava de tão bom humor que isso não chegou a me tirar do sério.

Introduzindo sabores

A disciplina foi outra questão importante. Precisei ir à feira três vezes em uma semana e me lembrar, dia e noite, de germinar os grãos do dia seguinte. Nessa semana, os brotos e sementes germinadas foram a base da minha alimentação. Sem eles, eu não teria a sensação de saciedade e, possivelmente, não teria ficado tão saudável. O processo de germinação em si não é difícil: de noite, você coloca as sementes na água. Enquanto nós dormimos, elas "acordam". De manhã, antes de preparar o suco vivo, feito de maçã, folhas e grãos germinados e/ou brotos, joga-se a água dos germinados fora e eles ficam escorrendo por mais oito horas. Assim que surge um "narizinho", eles germinaram e estão prontos para o consumo. O suco é uma das bases da alimentação viva e garante saúde e energia aos seus praticantes. E, cá pra nós, é uma ótima maneira de acabar com aquela prisão de ventre chata. Passei a tomar o suco todos os dias, mesmo depois da "semana viva".

Experimentei lentilha, grão-de-bico, semente de girassol, feijão azuki e trigo germinados. A lentilha foi minha favorita. Fácil de germinar, seu gosto é ao mesmo tempo marcante e suave. Cabia nos meus sucos, saladas e pratos amornados. Quando eu estava sem inspiração, jogava um punhado delas no meio de uma salada de repolho roxo ralado, tomate, abacate e passas, com molho de azeite, shoyu, limão e óleo de gergelim (não tostado, claro) e pronto! Cores e sabores numa união deliciosa. Comi bastante durante toda a semana e não sofri com aquela sensação de "comi demais" em nenhum momento. Pelo contrário, podia fazer um banquete e me exercitar logo em seguida, de tanta vitalidade que o alimento vivo me trouxe. "O alimento vivo não é só preventivo, é também interventivo. Pode funcionar como uma cirurgia, fazendo verdadeiras operações dentro das células", diz o médico Alberto Peribanez Gonzalez, autor do já clássico Lugar de Médico é na Cozinha (Ed. Alaúde). Cirurgião com doutorado em medicina na Ludwig Maximilians Universitaet Muenchen (Munique), na Alemanha, ele se dedica a buscar a comprovação científica e as explicações fisiológicas para o sucesso da alimentação viva. E que sucesso: Gonzalez conta de pessoas que usavam três antidepressivos diferentes e se curaram por meio da dieta viva, bem como de diabéticos que não precisam mais de aplicações de insulina. Não tenho depressão nem diabetes, mas senti na pele e no corpo as transformações prometidas pela alimentação viva: fiquei bem-humorada, com vigor, atenta, dormindo menos, me exercitando mais, sem gula, com alegria. E, de quebra, com a cozinha limpinha.

Sim, cozinha limpa. Afinal, tudo é muito simples de ser preparado. Nem é preciso usar detergentes - o planeta agradece, mais uma vez. Liquidificador, processador, facas, peneiras, uma loja de grãos e um bom mercado de frutas e legumes resolvem a vida dos que praticam a alimentação viva. Em alguns momentos, eu, cruzinheira de primeira viagem, perdi o ponto nas pastinhas e crackers. O processador de alimentos era muito rápido para mim e o que era para ser uma pasta mais consistente virava um creme-quase-sopa. Fui entendendo que, às vezes, um aperto de leve no botão era suficiente. Mas nada de muito grave. Afinal, como nada era cozido, eu não estava queimando nada... Só estava inventando novas maneiras de usar os ingredientes. E qual o problema de um hambúrguer de lentilha com trigo germinado e catchup de tomate seco virar uma pasta para se colocar na sobra do pão essênio?

Imitando comida

A educadora alimentar Juliana Malhardes, organizadora do site Culinária Viva, conta que mesmo quem não sabe cozinhar adora colocar o avental para o vivo. "É tudo uma grande brincadeira de imitar comida. Mesmo o prato mais elaborado é supersimples", diz ela, que sete anos atrás, "mesmo para comer um hambúrguer no fast-food precisava colocar molho extra para a alface descer". Ela sofria de crises alérgicas e muita dor de cabeça antes de iniciar, gradualmente, essa dieta. Juliana é a prova viva (com perdão do trocadilho) de que qualquer pessoa pode gostar do vivo e adotá-lo em seu dia a dia.

Doces e afeto

O vivo aposta em pratos que tragam à tona a memória afetiva dos alimentos. Muitas receitas lembram os pratos que saboreávamos com os avós aos domingos, como estrogonofe vivo ou um macarrão de legumes. No início, existe certo estranhamento, assumo. A textura não é exatamente a mesma. Mas o sabor pode ser até melhor que o original. "O alimento vivo é saboroso e reconstrói os afetos alimentares que trazemos da primeira infância. Tem hora que dá vontade de comer chocolate, então precisamos reproduzir os afetos da nossa cultura alimentar de maneira viva", diz Juliana. Testei mil e uma maneiras de fazer milk-shake. Leite de castanha com morangos orgânicos ou com banana e cacau foram os preferidos. De sobremesa, o campeão de simplicidade e sabor foi o pudim de banana. Parecia inacreditável que bater frutas com canela no liquidificador, com o cuidado de inserir uma banana mais verde, tivesse aquela textura como resultado. Era um pudim aerado, delicioso.

Cynthia Brant, presidente da Associação Terrapia, depois de presenciar centenas de pessoas experimentando o vivo, afirma: "Esse tipo de alimentação é includente, dá para ir trazendo o vivo aos poucos para o seu dia a dia". Alguns adotam o suco vivo pela manhã; outros, sementes germinadas nas saladas. É importante não apressar o processo, para que o novo praticante possa adaptar o paladar aos novos sabores, organizar novos hábitos e desenvolver habilidades na culinária viva. "Mesmo as pessoas que não têm o hábito de consumir alimentos crus no seu dia a dia irão se surpreender com a saciedade, os sabores e a beleza da comida viva. E aí cada refeição vira uma festa", celebra Juliana. Eu não poderia concordar mais.

PORCarolina Bergier

Edição 129

Carolina Bergier colabora com a seção Compartilhe, da Vida Simples, desde 2012.

terça-feira, 20 de agosto de 2013



  Alimentação saúdavel sempre é um hábito importante, independente de você ser lutador ou não. Sempre leio o blog da Adriana Ribeiro Gracie buscando informações e receitas. Essa é apenas uma delas sobre as propriedades do suco verde. Acesse o blog e saiba mais!

O suco verde tem propriedades realmente maravilhosas. Ele é rico em Ferro, Vitamina C, Zinco e Magnésio.Além disso, quem toma percebe a diferença na disposição para enfrentar o dia e de quebra melhora a saúde do fígado.Existem várias receitas de suco verde. Você pode iniciar colocando este extrato que é rico em clorofila e acrescentar outros vegetais verdes. Em antigas civilizações gregas e romanas,comia-se couve antes de um jantar generoso, como meio de previnir males do estômago. No Egito Antigo,as folhas embebidas em vinagre eram antídoto contra ressaca. São as fibras presentes na verdura que a tornam grande aliada no combate á azia, má digestão e outros problemas gastrointestinais. As do tipo insolúvel aumentam a velocidade do transito intestinal, enquanto as solúveis absorvem água, formando um gel que protege as mucosas e confere peso ao bolo fecal.As verduras de cor verde-escura são sempre excelentes fontes de Ferro e Vitamina C

Suco de Alfafa

Benefícios: diminui o stress, melhora o desempenho de atividade física ou intelectual intensa e ajuda recuperar o corpo debilitado.
Ingredientes: broto de alfafa e couve.
Modo de preparo: bater tudo no liquidificador com água de coco

Suco de Brócolis

Benefícios: diminui os efeitos do envelhecimento, previne a anemia e evita o aparecimento de doenças degenerativas como o câncer.
Ingredientes: folha de brócolis e hastes da flor dos brócolis.
Modo de preparo: bater tudo no liquidificador com água de coco

Suco de Agrião e salsa

Benefícios: rico em vitamina C, combate a asma, bronquite e outras doenças pulmonares. Estimula a circulação, protege o fígado, melhora a textura da pele e é diurético, prevenindo pedras nos rins.
Ingredientes: agrião, salsa e água de coco
Modo de preparo: bater tudo no liquidificador com água de coco

Suco de Couve

Benefícios: rica em ferro, vitaminas e minerais, a couve previne anemia, melhora o aspecto da pele, previne câncer, melhora o funcionamento do intestino, previne inflamações e retarda o envelhecimento.
Ingredientes: Couve, couve-flor e brócolis.
Modo de preparo: bater tudo no liquidificador com água de coco

Adriana Ribeiro Gracie é Professora de Educacao Fisica,Estudante do Curso de Pos-Graduacao da U.G.F, Colunista da Revista Gracie Magazine, Orientadora Nutricional.

segunda-feira, 19 de agosto de 2013

Sopa de abóbora menina.


  • 2 xícaras de abóbora menina 
    1/2 Colher de sal marinho
    1 cm de pimenta dedo de moça
    1/2 Dente de alho pequeno
    1 colher de sopa de limão
    1/2 inhame pequeno ( opcional)
    folhas de rúcula
    fatias de tomate
    fatias de coco fresco
    azeite extra virgem
    castanha do pará ralada
    casca de limão ralado
    Beringelas marinadas ( missô, limão, água e sal se precisar)

    Instruções de preparo

Bater a abóbora com o alho, o sal, a pimenta, o limão e a pimenta no liquidificador. Colocar a sopa no prato e cobrir as rúculas, os tomates, o coco, a castanha e as raspas de limão. Passar um fio de azeite.
ps: Usei a beringela marinada para enfeitar as laterais do prato de vidro. Mas podem ser picadas e colocadas por cima da salada.


domingo, 18 de agosto de 2013

Tabule de Quinoa

Cada 100 gramas de quinoa contêm:
15 gramas de proteínas ||
68 g de carboidratos ||
9,5 mg de ferro ||
286 mg de fósforo ||
112 mg de cálcio ||
5 g de fibras ||
335 kcal ||
A composição pode variar um pouco, em razão da diversidade de sementes. Segundo a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação, a quinoa é um dos alimentos mais completos que existem. A quinoa NÃO CONTÉM GLÚTEN


  • 100 gramas de quinoa em grãos
  • 400 ml de água filtrada
  • 1/2 colher de chá de sal
  • 5 tomates italianos em cubos
  • 1 cebola grande em cubos
  • 1 pepino japonês em cubos
  • 50 gramas de azeitonas pretas picadas
  • 1/2 maço de hortelã picada
  • 50 ml de azeite
  • 1 dente pequeno de alho amassado
  • Suco de 1 limão
  • Sal e orégano a gosto

    Instruções de preparo

    1. Cozinhe a quinoa na água em fogo brando, retire da panela, deixe esfriar e reserve.
    2. Em um bowl misture todos os outros ingredientes, acerte o sal, refrigere e sirva.
    • Substitua os ingredientes de acordo com o seu gosto, inclua milho verde, cenoura ou ervilha fresca.
    • Sendo uma salada completa, sirva acompanhado de castanhas ou hambúrguer vegetal.

sábado, 17 de agosto de 2013

Queijo de Amêndoas e tomilho!!!


Comer um queijo feito a partir de sementes é realmente surpreendente. É quase uma revelação! Tem muita pesquisa para ser feita, mas o que já fazemos é suficiente para abalar nossas crenças de que não podemos viver sem o leite dos animais. Podemos fazer queijos de amêndoas, de castanhas, amendoins, grão de bico,...
Esses, são de amêndoas com tomilho e sal. Puro deleite!!! Ou, puro e sem leite? rsrsrs


Instruções de preparo

Colocar a amêndoa na água por 12 horas. Lavar e deixar numa peneira por outras 12 horas. Descascar.
Bater no liquidificador com o rejuvelac.
Deixar fermentar.
Misturar o sal e as folhinhas de tomilho.
Dar uma forma e colocar para desidratar.

sexta-feira, 16 de agosto de 2013

Iogurte Crudívoro de Amêndoas


  • 300 gramas de amêndoas com pele
  • 450 ml de água filtrada ou mineral

    Instruções de preparo

    Coloque as amêndoas num recipiente e cubra com água. Deixe de molho durante a noite. No dia seguinte, escorra a água e retire a pele das amêndoas (é só puxar que sai igual uma roupinha... rs). Coloque as amêndoas e os 450 ml de água no processador. Processe até que atinjam a consistência de uma pasta (quanto mais fina, mais delicado será o iogurte). Passe a mistura para um pote (de preferência de vidro) e deixe num lugar quente da casa (aqui em casa, deixo numa prateleira do armário que é de madeira e facilita a fermentação, porque fica mais quente), descansando por 8 horas (pelo menos). Quanto mais tempo ficar descansando, mais ácido ficará o iogurte.
    Depois de fermentado, você pode guardar na geladeira em potinhos (refrigere por pelo menos 1 hora antes de usá-lo, assim ele fica mais firme). É ótimo puro, com xarope de maple ou glucose de milho. Também fica ótimo com granola e frutas. Eu uso ainda em receitas salgadas: dá um molho super nutritivo e diferente para saladinha básica ou para os legumes grelhados. Eu como ainda com kibe de pts e falafel, é só macerar um pouco de hortelã e misturar nele com uma pitadinha de sal... Um verdadeiro coringa.


    Esta receita eu encontrei em vários sites na internet e também no livro "12 Passos para o Crudivorismo". Eu usei como base a desse link aqui ""

Germinar sementes – Germinação – Brotos – Como fazer

Técnicas Ecológica do processo de germinação
Germinar – aprenda uma das técnicas de preparar alimentos mais importantes da Alimentação Viva
Porque germinar?
A germinação proporciona:
- Um aumento da energia vital das sementes.
- A perda dos elementos químicos e biológicos que agridem a flora intestinal humana, chamados de fitatos.
- Auxilia a facilidade da digestão;
- Melhora o sabor e textura;
- A economia de energia pois não há necessidade do  cozimento e caso queira cozinha leva menos tempo.
Qual semente posso germinar?
Qual semente mesmo que eu germine ainda não é possível de comer?
Ainda fica muitos aucalóides que tornam ela tóxica. É possível o consumo, mas não é recomendado fazer uso diário.
Muito dura para ser consuida crua, porém pode fazer leite (iremos explicar em uma outra aula).
Exceto arroz selvagem. Ele é negro e fininho. Ele sim pode se comer cru se germinado.
Você deverá deixar de molho por 12h , jogar a água fora, depois deixar de molho por mais 24h.

Ainda fica muito dura, use para plantar e fazer grama para suco, tem um sabor menos forte que a grama de trigo. (Milho verde não germina se come assim como está, nem precisa cozinhar, é perfeito para misturar com farinha de linhaça e usar no preparo de panquecas)
Existem alguns experimentos científicos que comprovam uma melhora na produção de leite de animais que foram alimentados com sementes germinadas.
Milho de pipoca
Muito duro para ser consumido crú, utilize para plantar gramas/erva a grande verdade que a humanidade basicamente só se alimentar destes grão, então não se preocupe em não poder comê-los pois geralmente são as sementes que sempre sofrem o problema de excesso de agrotóxicos pois são as que são plantadas em grandes escalas e também a questão dos transgênicos pois são as mais comercialmente exploradas.
Com o processo de germinar você irá conhecer tantas outras sementes muito mais nutriticas e não tanto exploradas que não irá sentir falta delas.
Mesmo que só seja possível comer estas sementes cozidas recomenda-se germiná-las para melhor seu poder nutritivo e digestivo.
Germinar as sementes que você irá cozinhar irá tornar o provesso de cozer mais rápido, sendo ssim mais ecológico e ecômico.
Mais nutritivo pois o processo de germinação potencializa alguns nutrientes.
Mais digestivo, pois este processo elimina os chamatos fitatos (para saber o que é fitato clique aqui), que são toxinas naturais que agridem nossa flora intestinal.
Qual semente não germina?
Se estão vivas, todas as sementes germinam, porém não são todas que apresentam raiz primária como é normal. As castanhas e os arrozes, por exemplo, não apresentam esta propriedade.
Uma regra básica que funciona para quase todas as sementes é:
Todas as sementes tem casca no seu estado natural:
Sementes que não estão com sua casca ou pele irá germinar.
As sementes que perderam sua pele por um processo mecânico como as nozes e os arrozes, não irão germinar.

Exemplos de sementes que apresentam o broto:
Grão de bico
Milho de pipoca
Exemplos de sementes que apresentam o broto mas que não se deveria esperar aparecer pois ficam com gosto ruim:

Exemplos de sementes que não apresentam o broto:
Cevadinha sem casca

Quais os melhores sementes para usar no suco de luz do sol?
O sabor é particularmente variado.
Sendo assim o melhor é você provar e aprender a identificar qual melhor lhe agrada.
Quais as melhores sementes para usar em uma salada?
As recomendadas são as que têm a casca macia.
Lentilha, alfafa, feijão mugi, castanhas, soja branca, nozes.
Como posso germinar as sementes?
Para 80% das sementes:
Imergi-las por 8 horas em água
Escorrer por uma peneira, ou em vidro com um filó
Lavar, (aproximadamente 5 segundos)
Voltar a imergir por mais 8h. (esta é a segunda vez que você faz isso)
Lavar, (aproximadamente 5 segundos) novamente, (esta é a segunda vez que você faz isso)
Pronto para usar!
Existem outras sementes que são imersas por menos tempo:
Exemplo: Quinoa
O tempo de imersão necessário é 2 horas.
Escorrer por uma peneira, ou em vidro com um filó (ver foto)
Molhar rapidamente, (aproximadamente 5 segundos) depois de ter passado mais 2 horas.
Deixar escorrendo em uma peneira, ou em um vidro com um filó (ver foto)
Após repetir o ato por mais uma vez, as sementes estarão próprias para o consumo.
Para sementes que precisam de tempo maior que 8 horas:
Exemplos: Lentilha, alfafa, trigo
Imergi-las por 8 horas em água
Escorrer por uma peneira, ou em vidro com um filó (ver foto)
Molhar rapidamente, (aproximadamente 5 segundos) depois de ter passado mais 8 horas.
Após repetir o ato por mais três vezes, as sementes estarão próprias para o consumo.
Minhas sementes estão ficando mofadas?
Nestas  hipóteses:
1.Estão velhas e por isso algumas sementes entram em decomposição;
2.Ficaram por mais de 8 horas dentro d`água;
3.Ficaram por menos que 4 horas dentro d água;
4.São sementes que sofreram irradiação e estão mortas;
5.Não foram corretamente escorridas, ou estão armazenadas em ambiente úmido.
Acabei de germinar as sementes, mas elas apresentam um cheiro desagradável parecido com podridão.
O que fazer?
1.Lavar muito bem com água corrente;
2.Cheirar novamente;
3.Continua desagradável. Jogar na compostagem ou no lixo e reiniciar o processo prestando muita atenção aos horários;
4.Repetiu o processo. Trocar de semente ou não comprar mais desta marca ou loja;
5.Se o problema persistir, não germinar mais esta semente nesta época do ano;
Caso haja maiores dúvidas, envie-nos um e-mail comentando sobre a semente para ajudarmos a descobrir o que pode estar acontecendo.
Posso guardar na geladeira?
Comida ecológica trabalha com 5 pilares:
Cru – Integral – Fresco – Orgânico – Maduro
Geladeira torna os alimentos velhos. Usar somente em último caso.
O que preciso para Germinar usando o prato?
Apenas sementes grandes tipo, soja, castanhas, castanho do pará, lentilha, feijao mugi ou azuki, etc…
Modo de preparo:
1- Colocar de molho a semente a ser germinada
2- Passadas 8 horas escorrer toda a água, usando os dedos como peneira.
3- Colocar as sementes em um prato e cobrir com outro prato, de preferência dois de mesmo tamanho. Ex: Pratos lisos nas bordas e sem relevos. Pratos de sopa são ideais.
4- Depois de um dia e meio as sementes estarão prontas para consumo.

Lavar as sementes somente no momento de serem consumidas. Este sistema permite uma humidade perfeita para o crescimento contínuo e acelerado pois utiliza o próprio calor exalado pelas sementes para  aquecer o sistema.
Pode também colcocar uma folha de papel toalha no fundo e depois as sementes por cima, no caso das sementes forem muito pequenas, como alfafa.
Este sistema é o ideal para alfafa, desde que seja colocado um pano em baixo das sementes, dentro do prato.

Sistema Peneira
Coloque a semente de molho (olhe a tabela de tempo de germinação)

Quando for tirar na água, despege em cima de uma peneira destas de leite ou maiores de acordo com a quantidade de sementes.
Sementes que devem seguir estes processo:
Linhaça e trigo sarraceno pois produzem uma líquido espesso que impossibilita de utilizar os processos anteriores.
Problemas que podem ocorrer:
1)Deixar tempo demais na água
Como saber se isto aconteceu?
Se tem bolhas na superfície da água.
Como solucionar?
Somente provando, esperimente a semente  8horas depois, se tem gosto ruim e cheiro ruim é porque morreu. Porém antes de provar, lave pois o líquido que fica em volta das sementes pode te enganar.

Esquecer de lavar as sementes depois de 4 horas  que tirou da água
Como saber se isto aconteceu?
Se é um asementes que vai ter rabinho, você irá notar que os rabinhos ficaram amarelados com cara de podre.
Como solucionar?
Somente provando, esperimente a semente, se tem gosto ruim e cheiro ruim é porque morreu. Cuidado, pois se você mora em um clima seco esta sementes pode ter secado muito e não ter gosto forte, porém pode estar cheia de bactérias. Em caso de dúvida não coma, mesmo que não tenha um gosto muito forte.
Quanto tempo eu deveria deixar germinando?
Confira a tabela abaixo:
Estas informações será aplicadas para uma temperatura de 25ºC e a uma humadade relativa do ar entre 50% a 60% um dia de primavera.
O clima irá alterar somente o tempo fora água.
-Para as cidade muito abafadas ou em dias de verão em cidade litorâneas, o tempo fora do ar cai pela metade.
-Para casas com aquecimento em lugares muito frio o tempo fora dágua deve ser reduzidos em 1/3. Ou seja ao invés de 6 horas 4horas por exemplo.
-Para cidades frias dobrar o tempo de fora água deve ser aumentado.
Quando vou saber a hora de comer?
Algumas dicas visuais que podem ajudar
Lentilha (passou da hora de consumir)
Quando começa a aparecer manchas castanhas/ marrom siginifica que já passou, estes marcas siginificam, bactérias. Não é isso que você quer colocar no seu corpo é? Tudo bem que temos delas, mas são específicas, invasoras fazem com que nosso corpo gaste muita energia para se defender do ataque. Quando há formação de bactérias nos brotos, se torna um problema difícil de solucionar pois elas estão dentro do corpo do boto, ou seja, lavar não adianta, por isto devemos estar bastante atentos as este detalhe no processo de germinação.
Feijão ou soja (tamanho perfeito para consumo)
O feijão verde não é muito digestivo, então não como muito.
Trigo (passou da hora)
Uma regra geral que pode ajudar muito é que quando aparece as folhinhas já não serve mais, ou melhor,  o risco que já passou é grande. Com excessão da alfafa.
Hemp, canhamo ou maconha.
Sim eu sei, parece estranho, mas o fato que de tão amada esta semente sofreu tantos estudos que descobriram que tem todos os óleos que nosso cérebro precisa, estudo nutricionais dizem que o leite feito desta semente é quase comparado com o leite materno.

Direitos do Leite da terra

Todos os direitos reservados. Nenhuma parte poderá ser reproduzida, de forma alguma, sem a permissão formal por escrito do seu autor, excepto as citações incorporadas em artigos e ou postes com os devidos créditos