segunda-feira, 29 de outubro de 2012

Os 7 Chakras.


Chakras são centros de energia, situados na metade do corpo. Há sete deles, que governam nossas propriedades psicológicas.

Os chakras situados na parte mais inferior de nosso corpo são nosso lado instintivo, os mais elevados no nosso lado mental.

Os chakras podem ter vários níveis de atividade.

Quando estão "abertos", estão considerados operantes em uma forma normal.

Idealmente, todos os chakras contribuiriam a nosso ser. Nossos instintos trabalhariam junto com os nosso sentimentos e pensar. Entretanto, este não é geralmente o caso. Alguns chakras não estão abertos bastante (sendo sob-ativo), e para compensar, outros chakras são sobre-ativos."


Fonte: Universo Mistico

Estudei na Escuela Japonesa de Shiatsu :D

quinta-feira, 25 de outubro de 2012

Jejum ajuda quimioterapia no combate ao câncer, diz estudo

Ciclos de três dias sem comer freia o crescimento dos tumores.
Resultado positivo veio em teste com camundongos.

Um estudo publicado na edição desta semana da revista especializada “Science Translational Medicine” mostrou que o jejum pode ser uma arma no combate ao câncer. Nos testes com camundongos, a prática foi tão eficiente quanto a quimioterapia e, quando as duas foram usadas em conjunto, o resultado foi ainda melhor.

A experiência foi feita com oito tipos de câncer diferentes. Em cinco deles, os ciclos de jejum conseguiram, sozinhos, frear o crescimento dos tumores, da mesma forma que a quimioterapia fez.

Os ciclos sugeridos pela equipe de Valter Longo, da Universidade do Sul da Califórnia, em Davis, nos EUA, são de três dias sem comida. Se o jejum é feito em junto à quimioterapia, deve começar dois dias antes e terminar no dia seguinte à aplicação do medicamento.

A ideia é confundir as células cancerosas com ambientes extremos, aos quais elas não respondem tão bem quanto as células sadias. Em 2010, uma pesquisa já trouxe resultados de dez pacientes humanos que jejuaram e sofreram menos com os efeitos colaterais da quimioterapia.

É muito importante destacar, no entanto, que não há nenhuma prova da eficácia do jejum para humanos. Pacientes que já perderam mais de 10% do peso ou que têm outros fatores de risco, como a diabetes, não devem nem pensar nisso. Durante o período de jejum, também é possível que a pressão arterial caia, o que pode ser perigoso em alguns casos.

De toda forma, Longo sugere que os pacientes com câncer perguntem a seus oncologistas sobre a viabilidade de incluir os ciclos de jejum no tratamento.

Fonte: Do G1, em São Paulo


Originally published around 1950
BEFORE I realized the actual importance of raw vegetable food, my attitude was exactly the same as that of other doctors -- to treat the symptoms of the disease without thinking of preventing it. It ought to be the duty of the medical profession in future to find means of preventing to a much higher degree than now, instead of having to cure later on.
That I, as a doctor, went in for exclusively raw vegetable food is due to the fact that I became ill, even seriously ill, myself. I developed cancer of the breast. The disease had, of course, been preceded by wrong nourishment and wrong habits in the course of my twelve years of hospital training, when I suffered from sluggish digestion and catarrh of the stomach all the time, disorders which are still of quite common occurrence among hospital staff members. Since that time, no change of the hospital diet has taken place in Denmark in this very important domain. On one occasion I was in a dying condition because of a bleeding gastric ulcer. This made me abandon meat and fish, and I became a vegetarian. Later, I took to eating a good deal of raw vegetable food. In this manner my digestion became regulated, and I felt better, though not completely well. In the winter of 1940 to 1941, I was exceptionally tired and dull, but I was unable to ascertain any specific disease. At that time I did not understand what was wrong with me, but in the course of the Spring I discovered a small node in my right breast.
Tired and dull as I was, I did not pay any attention to it until, five weeks later, I discovered that the node was the size of a hen’s egg. It had grown into the skin, a thing only cancer does. As a doctor, I had seen enough to be unwilling to submit to the treatment of cancer generally employed. I consulted my good friend, Dr. M. Hindhede, who dissuaded a trial microscopy. It would open up the blood streams and the cancer would spread; so I gave it up. And then I felt it as quite a natural thing that I would have to carry through a one hundred per cent raw vegetable diet.
I went in search of nature and lived for a time on a small island in the Kattegat, took sun-baths from four to five hours daily, slept in a tent, bathed several times a day, and lived exclusively on a raw vegetable diet. Later I introduced this habit of life at the sanatorium "Humlegarden."
But I was still tired and continued to be so for the first two months, and during that period the node in the breast did not diminish; it remained unchanged.
But then the improvement came. The node diminished, my strength returned. Apparently I recovered and felt better than I had done for many years. When I had experienced good health in this manner for about a year, I tried by way of experiment (and urged to do so by Dr. Hindhede) to revert to a vegetarian diet supplemented by fifty per cent of raw vegetable food.
But it was no good. In three or four months I began to feel a stinging pain in the breast, in the sore-like tissue which the cancer had left where it had originally adhered to the skin. This pain increased much during the weeks that followed, and I realized that the cancer had begun to develop again.
Once more I reverted to a pure, raw food, which caused the pain to subside rapidly and the fatigue to become less pronounced. But, being a doctor, I realized that I would have to use the experience I had gained to help my sick fellow creatures. So I set up my home so that I could have four or five patients staying with me the next summer. We took a hundred per cent raw vegetable diet and all went well; but it was not satisfactory with so few patients. I understood that this cause would have to be advocated under quite different and larger conditions if any proofs were to be given. On my initiative, a joint stock company was then formed which bought a property, "Humlegarden," well suited for the purpose; it was set up as a sanatorium, where I became the chief physician. Here, we eat only raw vegetable food, patients as well as employees, and the establishment is now in its sixth year.
Now, what is the reason why a one hundred per cent raw vegetable diet exerts such a beneficial effect on civilized individuals? First and foremost, because the raw food is live food as it is handed to us by nature. We all know that life on earth is completely dependent on our sun. If we had no sun, the earth would be without any life, dark and icy cold. Vital force is therefore identical with sun energy!
According to Dr. Hesselink, it is, however, only the plant with its widely unfolded thin green leaves, that is able to catch the sunlight and to deposit it in the form of roots and tubers, fruit and seeds. We human beings, and the animals, with massive bodies, are not able to utilize it to a sufficiently high degree. Therefore, both man and beast use plants as carriers between the sun and themselves. A fresh, raw vegetable diet is sunlight nourishment!
Dr. Bircher-Benner, of Zurich, realized this long ago. Dr. Hesselink, from Holland, believes that it is the atoms which are the carriers of the solar energy.
Fresh, raw vegetable food possesses the highest nutritive value, and this cannot be increased or improved; anything else, such as heating, drying, storing, fermentation or preservation, will tend to reduce and destroy its value. Boiled vegetables taste of nothing, so something must be done to make them palatable. We mix many different things together; we add salt, sugar, spices and butter. We remove the germ and the husk from the wheat to use the flour for baking. We polish the rice, we refine the sugar; we remove the skin, seeds, and cores of apples and pears, we peel the potatoes and scrape the carrots. Meat, fish, eggs and cheese supply us with an enormous surplus of animal protein. We make beverages of coffee and cocoa beans, and tea, which contain stimulating poisons.
We use the grapes for wine and brandy -- intoxicating poisons -- which first stimulate the gray cortex of the brain, and later paralyze it. We preserve food with chemicals, such as benzoic acid, salicylic acid, nitrates, boric acid and sulphurous acid in order that it may keep well, and look attractive. Further, we take anodynes, hypnotics, sedatives, and aperients--all strong chemical poisons -- or at any rate, substances that are foreign to the organism. Among drugs which are misused to a great extent, tablets for headache, hypnotics, and aperients are much too predominant. In a small country like Denmark, the adviser on pharmacological matters of the Public Health Authorities is able to give us the following figures: consumption of drugs for headache 150 tons, aperients 15 tons, hypnotics 9 tons--annually.
Nicotine, too, is a ruinous stimulant, a still stronger poison than spirits; it causes sclerosis of the heart and the cardiac musculature to become undernourished. The heart becomes a flaccid bag instead of a firm muscle. Many busy men who die about the age of fifty years die of heart failure caused by chronic nicotine poisoning. Here, too, I have experienced that patients on a pure, raw vegetable diet gradually lose their taste for tobacco completely.
The ground, too, is wrongly cultivated when it is fertilized too much and too uniformly with chemical manure. We may run the risk that the ground becomes just as diseased as man -- over-acidified, overnourished, and that it yields sick plants which are not fit for human food.
Raw food is termed live food by me, in contrast with such food as has been treated by heating, which I consider dead food. Care should be taken that the food does not include substances which counteract the chemistry of the organism, so that the waste products are not retained too long and putrefy in the large intestine. The best food is therefore completely natural food which has not been subjected to denaturation of any kind. To this must be added that live food is much easier to digest; it helps in the digestion itself just as the living baby co-operates in its delivery. Raw vegetables have been digested in the stomach and the intestines in an hour; boiled vegetables require almost three hours and leave more waste products, also offensive stools, impure blood, and poisoned and gradually impaired organs, whereas the raw food -- live food -- the sunlight nourishment, dissolves and excretes these poisons. Raw food is easy to digest, it spares and strengthens the organism in every respect because of its content of life, bases, and vitamins in their natural, living combination and relationship to one another. Everybody who can think, must be able to understand that our present nutrition is highly destructive -- and is the most common and most serious cause of physical and psychic diseases and constitutional degeneration. We must seek more wholesome nourishment and more wholesome habits of life if we are to live better now and in the future. We cannot afford to compromise when life and health are concerned. We must follow the only right way -- the one hundred per cent raw vegetable diet.
Let us consider for a moment how it influences our many different diseases. In the individual case it will always, on the one hand, depend on how good a constitution the patient has and how old he is, and on the other hand how poisoned, weakened and broken this constitution has gradually become because of preceding wrong nutrition and wrong habits. But it may be said, largely, that if, in spite hereof, the organism is fairly fit for work and able to utilize the exclusively raw diet, the latter will exert a curative effect on almost all our diseases, both those we have acquired during our span of life and those determined by hereditary predispositions.
Even the baby unborn may be injured in various ways. The impaired germ may determine both physical and psychic diseases. The baby may be injured by the wrong nutrition of the mother, because it is nourished through the impure blood of the mother. This may pave the way for disease so that the baby is born ill. After its birth the condition is aggravated, mostly because the mother’s milk is not as good, both qualitatively and quantitatively. Children all over the civilized world are born weaklings in a mild or severer degree, and who can estimate the future consequence thereof? Therefore, the sooner we go in for exclusively raw vegetable food, the sooner and better it will exert its effect. Children are assisted by nature, older individuals are rather opposed by nature. When a mother goes in for pure raw food, her milk secretion is immediately increased, the child thrives in all respects, the vitality is increased, and the mother can soon begin to give even young babies an addition of finely chopped fruit and vegetables; never, however, fruit and vegetables at the same time--always separately. It borders on the incomprehensible that a change can be effected so rapidly, just by giving the child wholesome mother’s milk, as much as it requires, and afterwards fruit and vegetables.
I have often experienced how a large family of brothers and sisters living exclusively on a raw vegetable diet became healthy, happy, lively and nice children in the course of a few months, so good is the effect of the exclusively raw vegetable diet in childhood, which is still assisted by nature and has not yet been ruined. The effect does not appear quite as soon in adults, but it is indisputable that raw vegetable food exerts a good effect on adults too, even psychically it brings about equanimity and harmony, kindness and sympathy.
But what of the elderly sick or the very sick people who have gone in for this diet too late? How about them?
Well, they have to be patient, energetic, and very interested, and they must be able to rest much, at any rate to begin with. The first few days may be troublesome until they have become accustomed to this different food and habit of life. But they will soon do better; the bowels open regularly -- two or three times daily -- and this is a great encouragement to many. At the "Humlegarden" garlic has its great share in this improvement. Just one clove with every fruit meal is of effect, but it is, of course, better to eat a medium-sized garlic (from five to ten cloves) with the fruit meals. A number of works by various investigators have been published, dealing with the bactericidal effect of garlic, which people of former times guessed. According to investigations reported in the Journal of the American Chemical Society, 1944, a substance known as allicin, which exerts a great inhibitory effect on bacteria, has been found in garlic. This substance has been compared with penicillin in a number of experiments, and it appeared that allicin exerts its effects on practically all bacteria in contrast with penicillin, the effect of which is certainly stronger but much more limited. The use of garlic is rendered difficult because of its peculiar odor; therefore, people in Denmark often return to the "Humlegarden" to undergo a course of treatment with garlic. In the company of others who eat garlic themselves, the odor cannot be smelt at all.
Raw vegetable food, and in particular raw potatoes, exert an excellent effect on all forms of rheumatism and rheumatic arthritis when these diseases have not progressed too far. A good effect is also seen on the diseases related to those just mentioned and of the same causation, namely, loading with uric acid; it applies to psoriasis, hemicrania, stone-formation in the gallbladder, the renal pelvis and the urinary bladder. Almost all diseases of the skin are cured, in many cases even rapidly. Loss of hair, fat formation, and dandruff cease. All infectious diseases are cured or improve.
The garlic we eat exerts an excellent effect on putrefaction in the large intestine, and a clove of garlic in either side of the mouth, placed between the cheek and the teeth, will greatly accelerate the expurgation and cure of diseases in the upper respiratory tract, first and foremost ordinary colds if dealt with in time. Diseases such as catarrh of the nose, the throat and the larynx, bronchitis and tuberculosis of the lungs, inflammation of the frontal sinus or the maxillary sinus, chronic inflammation of tonsils and gums, inflammation of the middle ear, and others, are cured completely in most cases. Gastric catarrh, gastric ulcer, duodenal ulcer, catarrh of the large intestine, and hemorrhoids too.
Women who carry through the raw diet during pregnancy feel well -- delivery takes place readily and rapidly and almost without pain, the slender, healthy, strong baby cooperates. The raw food produces copious and good milk for the child during the first year if the mother continues with this diet.
When a person is on an exclusively raw vegetable diet, it will, as a rule, be easy to stop smoking and drinking. Liquor does not taste well with raw vegetables. Smoking does not agree with garlic. On an exclusively raw vegetable diet no stimulants of any kind will be needed any more.
When cancer occurs, the organism is, as a rule, thoroughly destroyed. Cancer is the terminal stage. Here a one hundred per cent raw vegetable diet may prove helpful, alleviate the pain, prolong the life to some extent, because it agrees well with the patient. In the most favorable cases, when the cancer is dealt with in time, it may perhaps also be checked even for many years in some cases. I am an example of this myself, but then the seat of the cancer must not be in vital organs, such as the lungs, liver or stomach. And the treatment with raw food should be commenced as soon as the cancer is discovered, and it is an absolutely necessary condition that it is carried through one hundred per cent.
I want now to tell a little about my own case from 1942 to the present year. Up to 1946 I was doing well on my exclusively raw diet -- the cancer of the breast was completely quiescent, and my general health was good.
But in the spring of 1946 we got some dried fruit from Sweden (raisins, dates, prunes, and figs). I thought then that it would be all right to eat it; but it was not. These are fruits which have been treated with chemical poisons in order to preserve them and to make them look attractive. Having taken them for three or four months, I suddenly developed violent pains in the scar-like tissue in the breast, and on closer examination; I found a small node in the right breast, in the same place as before. Once more I reverted to the fresh raw food, and the node disappeared.
The last and most dangerous thing for me was, however, the trial microscopy against which I had been dissuaded by Dr. M. Hindhede. I had to let it be done because so many -- doctors in particular -- maintained that I had never been suffering from cancer. It was made at the Radium Center in Copenhagen, in January, 1948. This trial microscopy was positive; there were cancer cells in the scar-like tissue in the skin of the right breast, but it was a benign form called scirrhus. My originally malignant, rapidly growing form of cancer had thus, under the influence of raw food, been converted into a benign form of cancer, which remains quiescent. But still this interference was just on the point of stirring up the cancer so much as to frighten me seriously. For the first time I developed metastases (two small nodules) in the armpit; and about six months on the exclusively raw diet were required to make them subside again. But it went well this time. Since then I have been in excellent health -- all through last summer I was up at sunrise, and in my garden where I have been working hard several hours daily. This was far more wholesome than sitting indoors working as a doctor. Not only had I the patients at the "Humlegarden," but also a large practice and correspondence out of town; this was more than I could manage.
On January 1st, 1949, I stopped practicing and took up gardening again, which had always been my great interest. For this purpose I had acquired about half a hectare (about one-and-a-quarter acres) of land near the "Humlegarden," and here I learned how right it was to grow both fruit and vegetables biologically, that is, according to the laws of life. For manure I use only compost, seaweed, straw or hay; no chemical manure, no dung.
In conclusion, just a few words about the practical conditions and the everyday use of raw vegetable food. I am glad to be able to refer to my book Live Food,* which has just been brought out by a Dutch publishing house and which gives a detailed picture of the procedure to be followed when changing to a pure raw vegetable diet. (* not available in English)
It would be of great consequence if the medical profession would acquire greater knowledge in this field to a higher degree than is actually the case. Doctors from Denmark and from foreign countries have visited the "Humlegarden" for shorter or longer periods and have utilized their experience in their practice. The "Humlegarden" is visited by about one thousand patients annually. Here the patients, as well as the members of the staff, live exclusively on food that has not been treated by heating, and our experience is that a transition diet is quite superfluous. The raw vegetable diet can only be varied according to the seasons, and consists of three meals daily. We get a fruit meal in the morning and in the evening, and a vegetable meal in the middle of the day. Fruit and vegetables are never mixed. If the condition of the teeth permits it, the raw food is taken whole, otherwise it must be grated and reduced to small particles immediately before the meal. Once the raw food has been grated or chopped, it will not keep because it loses its content of vitamins. The raw food should be carefully chewed, preferably so well that it passes down all by itself, and even the grated raw food should at any rate be mixed well with saliva. We drink raw whole milk with all our meals, from half a liter to one liter daily (one liter equals one-and-three quarter pints approx.). Germinating corn, or dried corn, crushed or ground immediately before the meal is taken with the fruit. Garlic is medicine and is eaten with fruit and milk, cut into small pieces in varying quantities. All kinds of nuts provide a good supplement. The vegetable meal consists of green leaves, roots and tubers, with an admixture of a spoonful of honey. Potatoes are eaten with the peel because of the presence of an element, fluorine, which preserves the enamel of the teeth. Similarly, all fruit is eaten with the peel. In the cases of diseases such as gastric catarrh, gastric ulcer and the like, care should, however, be taken during the initial stages.
If the exclusively raw food with its associated sound habits of life prevails, a variety of things will improve. Diseases will gradually be obviated. Obesity, the most dangerous of all diseases, will become a rarity.
The housewife’s work will be reduced to half the time--and the leisure hours thus gained will be an invaluable advantage and joy for husband, children and home. The slender build, the erect carriage, the supple gait, the fresh complexion, the white, sound teeth and the vigorous hair will dominate the picture. When the body is healthy, the result will invariably be a sound mind. Our negative thoughts will be changed into positive ones, and develop the great cultural progress which the world is waiting for. Only then will life be worth living.


Veja mais aqui:

terça-feira, 23 de outubro de 2012

Entrevista com o Dr. William Davis, autor do livro Wheat Belly

Como prometido no último post, segue a primeira parte da entrevista de Tom Naughton, do Fat Head, com o Dr. William Davis, autor do livro Wheat Belly (Barriga de Trigo, tradução livre).
O post é longo, mas vale a pena. Pretendo publicar a segunda parte da entrevista nas próximas semanas, assim que conseguir terminar de traduzir. Se gostarem, divulguem.

Fat head: Você é um cardiologista por profissão, e no entanto você acaba de escrever um elaborado livro sobre os efeitos negativos do consumo de trigo. Como o trigo apareceu no seu radar? O que o fez suspeitar que o trigo pode estar por trás de muitos de nossos problemas de saúde modernos?

Dr. Davis: Tudo começou vários anos atrás quando eu pedi aos pacientes do meu consultório que considerassem eliminar todo o trigo de suas dietas. Eu fiz isso seguindo uma lógica muito simples: Se alimentos feitos com trigo elevam o açúcar no sangue mais do que quase todos os outros alimentos (devido ao seu alto índice glicêmico), incluindo o açúcar de cozinha, então remover o trigo deve reduzir o açúcar no sangue. Eu estava preocupado com os altos níveis de açúcar no sangue já que 80% das pessoas que chegavam no meu consultório tinham diabetes, pré-diabetes ou o que eu chamo de “pré-pré-diabetes”. Resumindo, a grande maioria das pessoas mostravam marcadores metabólicos anormais.
Eu forneci aos pacientes um simples folheto de duas páginas sobre como fazer isso, isto é, como eliminar o trigo e substituir as calorias perdidas com alimentos saudáveis como mais vegetais, oleaginosas, carnes, ovos, abacates, azeitonas, azeite de oliva, etc. Eles voltavam três meses depois com taxas de açúcar no sangue em jejum menores, hemoglobina A1c menor (um reflexo da taxa de açúcar no sangue dos últimos 60 dias); alguns diabéticos se tornaram não-diabéticos, pré-diabéticos se tornaram não pré-diabéticos. Eles também voltavam cerca de 15 quilos mais leves.
Então eles começavam a me contar sobre outras experiências: alívio de artrite e dores nas juntas, irritações de pele desaparecendo, asma melhorando o suficiente para que parassem com os inaladores, sinusites crônicas indo embora, inchaço nas pernas indo embora, enxaquecas cessando pela primeira vez em décadas, sintomas de refluxo ácido e intestino irritável aliviados. No começo, eu dizia aos pacientes que era apenas uma estranha coincidência. Mas aconteceu tantas vezes e a tanta gente que ficou claro que isso não era coincidência; era um fenômeno real e reprodutível.
Foi aí que eu comecei a remover sistematicamente o trigo da dieta de todo mundo e continuei a testemunhar reviravoltas similares na saúde afetando dezenas de doenças. Não houve volta atrás desde então.
Fat Head: Você cita um bocado de pesquisa acadêmica no seu livro, mas você também cita casos do seu histórico de prática médica. Então, como uma questão do ovo-ou-galinha, qual veio primeiro? Você começou notando que os pacientes que consumiam muito trigo tinham mais problemas de saúde e então saiu em busca de pesquisas que apoiassem as suas suspeitas, ou você cruzou com pesquisas que o levaram a notar como os seus pacientes estavam se alimentando?
Dr. Davis: A experiência do mundo real veio primeiro. Mas o que me surpreendeu foi que já havia uma extensa literatura médica documentando tudo isso, mas era largamente ignorada ou não alcançava a consciência geral nem a consciência da maioria dos meu colegas. E a maior parte da documentação vem da literatura de genética agricultural, uma área, eu posso garantir, que meus colegas não estudam. Mas eu desenterrei esta área da ciência e falei com pessoas da USDA e no departamento de agricultura em universidades para ganhar entendimento total de todas as questões.
Uma das dificuldades que explicam parcialmente por que muitas destas informações nunca viram a luz do dia é que os geneticistas agriculturais trabalham em plantas, não em humanos. Há uma ampla e pervasiva presunção seguida por estes cientistas bem intencionados: Não importa quão extremas as técnicas usadas para alterar a genética de uma planta como o trigo, ela ainda é perfeitamente boa para o consumo humano… sem nenhuma dúvida. Eu acredito que isto é completamente errado e está por trás de muito do sofrimento infringido em humanos consumindo este produto moderno da pesquisa genética ainda chamada, enganosamente, de “trigo”.
Fat Head: Então depois de apontar o trigo como o causador de vários problemas de saúde, você começou a aconselhar seus pacientes a eliminá-lo de suas dietas. O que o inspirou a dar o passo extra – e é um grande passo – de escrever um livro?
Dr. Davis: O que eu testemunhei nas milhares de pessoas que removeram o trigo de suas dietas não foi nada menos que incrível. Quando eu vi uma perda de peso de mais de 30 quilos em seis meses, níveis de humor e energia disparando, reversão de doenças inflamatórias como colite ulcerosa e artrite reumatóide, alívio de irritações de pele crônicas e artrite – e os efeitos foram consistentes caso após caso – eu percebi que não poderia deixar essa questão passar silenciosamente apenas na prática do meu consultório.
Reconhecidamente, o mundo vai precisar de mais dados confirmatórios antes que o trigo, ou pelo menos a versão moderna geneticamente alterada do trigo que estão nos vendendo, seja removido do prato de jantar do mundo. Mas os dados que já estão disponíveis são mais que suficientes, eu acredito, para trazer esta informação ao público para que as pessoas tomem suas decisões por si mesmas. Eu comparo esta situação a viver em um vilarejo onde todos bebem a água do mesmo poço. Nove em cada 10 pessoas ficam doentes quando bebem a água do poço; todos se recuperam quando param de beber. Quando voltam a beber, todos adoecem novamente; param e ficam melhores. Com uma relação causa-e-efeito tão consistente e reprodutível como essa, precisamos mesmo de um ensaio clínico para prová-lo para nós? Eu não preciso.
Isto será uma longa e difícil batalha na arena pública. O trigo compõe 20% de todas as calorias humanas. Ele requer uma enorme infraestrutura para o plantio, colheita, extração de sementes, fertilização, processamento e distribuição. Esta mensagem vai potencialmente prejudicar o sustento de milhares, talvez milhões de pessoas que fazem parte desta infraestrutura. Isso me lembra das batalhas que foram travadas (e são ainda hoje) quando se tornou amplamente aceito que fumar cigarros fazia mal. Quando as pessoas de dentro da indústria do tabaco eram indagadas sobre como elas podiam trabalhar para uma companhia que destruía a saúde das pessoas, elas respondiam “Eu tinha que sustentar minha família e pagar meu aluguel”. A discussão elimine-todo-o-trigo-da-dieta-humana que eu proponho vai atingir muita gente onde dói mais: no bolso. Mas, pessoalmente, eu não estou disposto a sacrificar a minha própria saúde, a da minha família, amigos, vizinhos, pacientes e da nação para permitir que um status quo incrivelmente insalubre continue.
Fat Head: Quanto mais eu leio o livro, mais eu me pego pensando, “Uau, eu sabia que o trigo era ruim para nós, mas é ainda pior do que eu pensava”. Você teve a mesma reação enquanto fazia a pesquisa para o livro? Você ficou surpreso ao ver quantos problemas físicos e mentais o trigo pode causar?
Dr. Davis: Sim. Eu sabia que o trigo era ruim desde o início do projeto. E houveram momentos em que eu me perguntava se não estava deixando passar alguma coisa, dada a adoção unânime dos grãos pelo agronegócio, fazendeiros, cientistas agriculturais, o USDA, FDA, Associação Dietética Americana, etc. Mas o oposto aconteceu: Quanto mais a fundo eu ia, mais esta coisa sendo vendida para nós com o nome de “trigo” parecia pior… e pior, e pior, quanto mais longe eu ia.
Eu sou consciente da armadilha “para alguém com um martelo, tudo parece um prego” que podemos cair, mas quando você vê doença após doença desaparecer com a eliminação do trigo, não dá pra deixar de se convencer que ele tem um papel crucial em centenas, literalmente centenas, de condições comuns.
Fat Head: Você descreve no seu livro como o trigo de hoje é o produto de cruzamento genético. Os cruzamentos são inerentemente ruins? Não acontecem cruzamentos na natureza o tempo tudo?
Dr. Davis: Sim, acontecem. Humanos, assim como todas as plantas e animais, são o produto de cruzamentos ou hibridização. Amor, sexo, e cruzamento fazem o mundo girar e tornam a vida interessante. O problema é que estes termos são usados muito vagamente pelos geneticistas.
Por exemplo, se eu expor sementes e embriões de trigo ao potente veneno industrial azida de sódio, posso induzir mutações no código genético da planta. Primeiro, deixa eu falar sobre a azida de sódio. Se ingerida, as pessoas do controle de venenos do Centro para Controle de Doenças recomenda que você não tente ressucitar a pessoa que a ingeriu e parou de respirar como resultado – apenas deixe a vítima morrer – porque a pessoa tentando salvá-la pode morrer também. E, se a vítima vomitar, não jogue o vômito na pia porque ela pode explodir (isso já aconteceu). Então, exponha sementes e embriões de trigo à azida de sódio e você obtêm mutações. Isto é chamado de mutagênese química. Sementes e embriões também podem ser expostos a irradiação gama e altas doses de radiação de raio-x. Todas estas técnicas caem sob nome de hibridização ou, ainda mais enganador, técnicas de reprodução tradicionais. Eu não sei quanto a você, mas a reprodução entre os humanos que eu conheço não envolvem massagear um ao outro com venenos químicos ou uma tarde romântica em um ciclotron para induzir mutações na nossa prole.
Estas “técnicas de reprodução tradicionais”, por falar nisso, são consideravelmente mais disruptivas para a genética da planta que a engenharia genética. Os americanos estão em guerra com os alimentos geneticamente modificados (transgênicos, ou seja, com a adição ou remoção de um único gene). A grande ironia é que a engenharia genética é uma substancial melhoria sobre as “técnicas de reprodução tradicionais” que ocorreram durante décadas e que ainda ocorrem.
Fat Head: Eu o conheci em pessoa a mais de um ano atrás, e você é um cara bem magro, então eu fiquei surpreso ao ler no livro que você costumava carregar por aí a sua própria barriga de trigo. Descreva as diferenças entre você como um consumidor de trigo e você agora, em termos de ambos o seu físico e a sua saúde.
Dr. Davis: Quinze quilos atrás, enquanto eu ainda era um entusiástico consumidor dos “saudáveis grãos integrais”, eu lutava contra constantes dificuldades em manter o foco e a energia. Eu dependia de potes de café ou caminhadas e exercício só para combater a letargia e a mente enevoada. Meus números de colesterol refletiam meus hábitos de consumo de trigo: HDL 27 mg/dl (muito baixo), triglicérides 350 mg/dl (MUITO alto), e açúcar no sangue na faixa de diabetes (161 mg/dl). Eu tinha pressão alta, com valores ao redor de 150/90. E todo o meu excesso de peso era ao redor da cintura – sim, minha própria barriga de trigo.
Dar adeus ao trigo me ajudou a perder o peso ao redor da cintura; meus números de colesterol: HDL 63 mg/dl, triglicérides 50 mg/dl, LDL 70 mg/dl, açúcar no sangue 84 mg/dl, pressão 114/74—sem usar nenhum remédio. Em outras palavras, tudo se reverteu. Tudo foi revertido incluindo a luta para manter a atenção e o foco. Agora eu posso me concentrar e focar em alguma coisa por tanto tempo que minha esposa me manda parar.
Levando tudo em conta, eu me sinto melhor hoje com 54 anos do que eu me sentia quando tinha 30.
Fat Head: Como aprender o que você sabe sobre o trigo e outros grãos mudou sua prática médica?
Dr. Davis: Catapultou o sucesso em ajudar as pessoas a recuperarem a saúde para a estratosfera. Entre as pessoas seguindo esta dieta, isto é, eliminar o trigo e limitar outros carboidratos (junto com outras estratégias saudáveis para o coração que eu advogo, incluindo suplementação com óleo de peixe, suplementação com vitamina D para alcançar um nível desejável de vitamina D 25-hidroxi de 60-70 ng/ml, suplementação de iodo e normalização de disfunção da tireóide), eu não vejo mais ataques cardíacos. Os únicos ataques cardíacos que eu vejo são de pessoas que eu recém conheci ou aqueles que, por um motivo ou outro (normalmente falta de interesse) não seguem a dieta. Um padre de quem eu cuido, por exemplo, um homem generoso e maravilhoso, não conseguiu se obrigar a rejeitar os muffins, tortas e pães que seus fiéis lhe traziam todos os dias; ele teve um ataque cardíaco apesar de fazer todo o resto corretamente.
Esta abordagem dietética, apesar de parecer peculiar superficialmente, é extremamente poderosa. Que dieta, afinal, causa perda de peso substancial, corrige as causas das doenças cardíacas como partículas LDL pequenas, reverte a diabetes e a pré-diabetes, e melhora ou cura múltiplas condições variando de artrite reumatóide a refluxo ácido?
Fat Head: Você viu centenas de seus próprios pacientes ficarem curados de doenças supostamente incuráveis após abrirem mão do trigo. Descreva um ou dois dos exemplos mais dramáticos.
Dr. Davis: Duas pessoas estão na minha cabeça quase todos os dias, principalmente porque eu sou especialmente gratificado pela magnitude de suas respostas e porque eu tremo de pensar em como seriam suas vidas se eles não se engajassem nesta mudança de dieta.
Eu descrevo a história de Wendy no livro, uma mãe e professora de 36 anos que tinha uma colite ulcerosa quase incapacitante; são grave que, apesar de três medicações, ela continuava a sofrer constantemente de cólicas, diarréia e sangramento suficiente para requerer transfusões de sangue. Quando eu conheci a Wendy, ela me contou que seu gastroenterologista e cirurgião tinha agendado para ela uma cirurgia para remoção do cólon e criação de uma bolsa de ileostomia. Estas seriam mudanças para o resto da vida; ela estaria fadada a usar uma bolsa para coleta de fezes pelo resto da vida. Eu insisti para que ela removesse o trigo. No começo ela se opôs, já que suas biópsias intestinais e exames de sangue falharam para o teste de doença celíaca. Mas, tendo visto tantas coisas incríveis acontecerem com a remoção do trigo, eu sugeri que não havia nada a perder. Então ela concordou. Três meses depois, ela não apenas tinha perdido 17 quilos, mas todas as cólicas, diarréias e sangramentos haviam parado. Agora já fazem dois anos. Ela foi retirada de todas as medicações e não há mais sinais da doença – colón intacto, nenhuma bolsa de ileostomia. Ela está curada.
O segundo caso é o Jason, também descrito no livro, um programador de software de 26 anos, neste caso incapacitado por dores nas juntas e artrite. Consultas com três reumatologistas não conseguiram chegar a um diagnóstico; todos prescreveram anti-inflamatórios e medicação para dor, enquanto Jason continuava a mancar por aí, incapaz de se envolver em mais que pequenas caminhadas. Dentro de cinco dias desde que removeu todo o trigo, Jason estava 100% livre de dores nas juntas. Ele disse que ele achou isso absolutamente ridículo e se recusou a acreditar. Então ele comeu um sanduíche: As dores nas juntas voltarem correndo. Agora ele está estritamente livre do trigo e das dores.
Fat Head: Seus pacientes são sortudos – você prefere mudar a dieta de um paciente a fazer uma receita médica sempre que possível. Infelizmente, você está entre a minoria. Como eu contei no meu blog recentemente, a esposa de um colega de trabalho foi finalmente curada de suas dores de cabeça quando um conhecido sugeriu que ela parasse de comer grãos. Ela havia ido a diversos médicos que meramente prescreviam medicações. Então… porque tão poucos médicos estão cientes de como os grãos podem afetar nossa saúde?
Dr. Davis: Eu acredito que a área da saúde foi desviada em direção à alta tecnologia, procedimentos que produzem altos lucros, medicações, e cuidados catastróficos. Muito na área da saúde perderam a visão de ajudar as pessoas e cumprir sua missão de curar. Enquanto isso soa fora de moda, eu acredito que é uma tendência ruim para a saúde ser reduzida a uma transação financeira sujeita a restrições legais. Ela precisa voltar a ser uma relação de cura.
Eu acredito que muitos na área da saúde também tenham se desencantado com a ineficácia da orientação alimentar. Porque a “sabedoria” alimentar tem estado errada em tantos pontos durante os últimos 50 anos, as pessoas ficaram desconfiadas da capacidade da nutrição e dos métodos naturais para a melhora da saúde. Pelo que eu testemunhei, no entanto, a nutrição e os métodos naturais tem um poder enorme para curar – se os métodos corretos forem aplicados.
Fat Head: Você espera que seu livro eduque mais doutores no assunto, ou esta é uma daquelas situações onde o público terá que ignorar seus médicos e aprender sozinhos?
Dr. Davis: Lamentavelmente, muitas pessoas lerão a mensagem em Wheat Belly, irão experienciar as incríveis transformações na saúde e peso que podem acontecer, então vão contar aos seus médicos, que irão declarar seu sucesso como uma “coincidência”, “força de vontade”, “efeito placebo” ou outra desculpa. Muitos de meus colegas se recusam a reconhecer o poder da dieta mesmo quando confrontados com resultados poderosos. Isto só poderá mudar após um período muito longo.
Felizmente, mais e mais de meus colegas estão começando a ver a luz e não procurar pelas respostas em drogas e procedimentos. Estes são os profissionais da saúde que eu espero que irão emergir para ajudar pessoas como defensores e treinadores em conduzir uma experiência como a que é descrita em Wheat Belly.
Fat Head: Se mais médicos fossem informados das questões sobre as quais você escreve em Wheat Belly, você acha que eles mudariam suas recomendações alimentares, ou a mentalidade “gordura é má, grãos são bons” está enraizada demais na profissão?
Dr. Davis: Não há absolutamente nenhuma dúvida de que o argumento “gordura é má, grãos são bons” vai persistir nas mentes de muitos de meus colegas por muitos anos. No entanto, eu acredito que se eles lessem os argumentos expostos logicamente em Wheat Belly, eles iriam primeiramente reconhecer que o “trigo” não é mais trigo e sim um produto incrivelmente transformado da pesquisa genética. Então eles começariam a seguir a lógica e entender que a longa lista de problemas associados ao consumo do “trigo” moderno começa a explicar por que estamos testemunhando uma explosão em doenças comuns. É aí que es espero que todos nós ouçamos um coletivo “Aha!”.

Depois de algumas semanas bem atribuladas no trabalho e em casa, consegui finalmente terminar a tradução da segunda parte da entrevista de Tom Naughton com o Dr. William Davis, autor do livro Wheat Belly (Barriga de Trigo). Vamos a ela…

Fat Head: O Dr. Robert Lustig acredita que o excesso de frutose é singularmente responsável por induzir a resistência à insulina e outros aspectos da síndrome metabólica. Você culpa o trigo. Quando eu comecei a apresentar sinais de pré-diabetes no meus trinta e tantos anos, eu quase não consumia açúcar – eu sabia que o açúcar era ruim para mim – mas eu comia um monte de massa, cereais e pães. Descreva como você acredita que o consumo de trigo pode levar ao diabetes tipo 2 mesmo entre aqueles que não tomam litros de refrigerante ou comem bolinhos ana maria.
Dr. Davis: Não há dúvidas que a frutose é realmente um grande problema na dieta dos americanos modernos. Como o trigo, fontes de frutose como a sucrose, o xarope de milho de alta frutose, o mel e o xarope de ágave aumentam a gordura visceral, o açúcar no sangue, e causam uma curiosa demora na limpeza das partículas sanguíneas (restos de quilomícrons) após as refeições que levam à aterosclerose. Então o livro Wheat Belly, logicamente, não argumenta que o único problema na dieta americana é o trigo.
No entanto, como muitos de nós aprenderam, cortar as fontes de açúcar e frutose é uma grande idéia, mas não resolve o problema inteiro, apenas um aspecto. E o trigo é o culpado nas pessoas que acreditam que estão seguindo um caminho mais saudável ao incluir bastante dos “saudáveis grãos integrais”.
Duas fatias de pão integral aumentam o açúcar no sangue mais do que açúcar de cozinha, mais do que muitos doces. Estranhamente, isto não impede os nutricionistas de encoraja-lo a comer mais disso. Coma mais trigo e as elevações dos níveis de açúcar no sangue aumentam em magnitude e frequência. Isto leva a elevações maiores e mais frequentes dos níveis de insulina que, por sua vez, criam a resistência à insulina, a condição que leva à diabetes.
Estas elevações nos níveis de açúcar no sangue também são intrinsecamente danosas às delicadas células pancreáticas beta, que produzem a insulina, um fenômeno chamado glucotoxidade. As células betas possuem pouca capacidade de regeneração. Danos repetidos devido à glucotoxidade levam a um número cada vez menor de células beta saudáveis e funcionais produzindo insulina. É aí que o nível de açúcar no sangue fica persistentemente em níveis elevados – mesmo quando seu estômago está vazio: pré-diabetes, seguida em pouco tempo pela diabetes.
Então o trigo que nos aconselham a comer mais não é a solução para a epidemia de diabetes que se espera que inclua um a cada dois adultos americanos em um futuro próximo, e 346 milhões de pessoas mundialmente – comer mais dos “saudáveis grãos integrais” é, creio eu, a causa desta situação. E removê-los nos traz de volta ao caminho para deter ou até mesmo reverter isso.
Fat Head: Você descreve em Wheat Belly como o trigo anão de hoje contém mais proteínas do glúten e causa um aumento mais dramático na glicose no sangue que o trigo que nossos bisavós consumiam. Mas Jared Diamond e outros apresentaram argumentos convincentes que a troca para uma dieta baseada em grãos fez com que o humanos se tornassem mais baixos, mais gordos e mais doentes mesmo em tempos pré-bíblicos, quando o trigo mutante de hoje em dia não existia. Então você diria que o trigo passou de um alimento bom para um alimento ruim, ou de um alimento ruim para um ainda pior?
Dr. Davis: Eu iria com a segunda opção, indo de um alimento ruim com efeitos adversos para a saúde em algumas pessoas, para um alimento incrivelmente ruim com efeitos adversos para quase todo mundo.
É lógico, se você estivesse faminto e a sua única opção de comida fosse pão, você deveria comer o pão. Não há dúvidas que o trigo, como um produto dos primórdios da agricultura, serviu para alimentar os humanos quando o a caça ou coleta falhava. Como o Dr. Diamond aponta, esta fonte de calorias, este seguro contra os dias de caça infrutífera, e alimento de conveniência teve consequências adversas para a saúde mesmo para os humanos antigos, mesmo em suas primeiras formas, como o einkorn e emmer.
Nós temos como um fato que o consumo de trigo tem sido prejudicial para os humanos desde que começamos a consumi-lo através de observações como as apontadas pelo Dr. Diamond: humanos diminuindo de estatura, aumentando de peso e adoecendo mais (doenças ósseas, apodrecimento dos dentes, câncer, talvez aterosclerose) com o consumo de trigo, assim como as descrições de doença celíaca tão antigas quanto 100 AC.
São as alterações introduzidas pelos geneticistas durante os últimos 40-50 anos, em conjunto com a recomendação para que se consuma mais trigo, que conspiraram para a criação da atual bagunça em que nos encontramos, transformando o trigo de um ingrediente problemático a um flagelo que exerce efeitos adversos à saúde em escala internacional.
Fat Head: Vamos falar sobre alguns dos problemas de saúde específicos que podem ser causados ou acelerados pelo trigo. Um dos meus leitores tem uma irmã que foi curada de esclerose múltipla após eliminar o trigo. Outros me contaram que foram curados de fibromialgia, transtorno de déficit de atenção ou depressão. Eles estão todos loucos, ou os “saudáveis grãos integrais” tem alguma coisa a ver com essas doenças?
Dr. Davis: Mesmo eu tendo testemunhado os incríveis efeitos da eliminação do trigo em milhares de pessoas durantes muitos anos, mesmo eu ainda aprendo novas lições sobre seus efeitos. Parece que não passa uma semana sem que eu aprenda algum novo benefício da eliminação do trigo.
Eu também ouvi incontáveis casos de alívio evidente, e ocasionalmente cura, de fibromialgia, TDA e depressão. Eu tenho apenas algumas instâncias em que eu testemunhei melhoras em esclerose múltipla, já que esta doença é incomum na população que eu atendo na prática de cardiologia e na minha experiência de saúde cardíaca on-line. Mas dado o alcance do trigo em tantos aspectos da saúde, eu não ficaria nem um pouco surpreso de ver uma remissão substancial da doença, dado os potenciais efeitos inflamatórios dos componentes do trigo no sistema nervoso central.
Infelizmente, a maioria dos meus colegas tratam isso como pura coincidência, apesar do fato disso poder ser ligado com o consumo de trigo, e desligado com a eliminação do trigo, ligado novamente à vontade – repetidamente, reprodutivelmente, e em muitas, muitas pessoas. A noção que grãos integrais são saudáveis está tão profundamente infiltrada no pensamento das pessoas na área da saúde que elas são muito resistentes a mudar suas visões.
Eu comparo esta situação a viver em um vilarejo onde todos bebem a água do mesmo poço. Um dia, 9 entre 10 pessoas ficam doentes bebendo dessa água; eles melhoram quando param de beber a água. Por conveniência, eles voltam a beber a água do poço e 9 entre 10 prontamente adoecem novamente; melhoram de novo quando param. Nós exigimos um estudo clínico para provar que existe realmente um problema? Insistimos que é apenas a imaginação das pessoas e que a diarréia e desnutrição resultantes do consumo da água é devido a alguma outra coisa? Esta é a situação em que nos encontramos com esta coisa que nos vendem e chamam de “trigo”.
Eu não acho que estou causando uma histeria coletiva, com todo mundo atirando loucamente seus produtos feitos com trigo no lixo porque eu mandei. As pessoas estão relacionando suas experiências de perda de peso substancial sem restrição calórica, alívio de múltiplas condições e doenças, assim como sentimentos subjetivos de bem-estar e humor melhorados. De fato, eu diria que a eliminação do trigo é a estratégia mais incrível e consistentemente efetiva para a melhora da saúde que eu jamais testemunhei em 25 anos de prática de medicina.
Fat Head: Eu abri mão do trigo e outros grãos primeiramente para perder peso, então eu fiquei agradavelmente surpreso quando vários problemas de saúde irritantes foram embora logo em seguida… psoríase, uma asma leve, refluxo gástrico e artrite entre eles. Com que frequência você vê resultados como o meu, e por que o trigo causa estes problemas em primeiro lugar?
Dr. Davis: Resultados como o seu são a regra, não a exceção. De fato, é apenas ocasionalmente que uma pessoa diz “eu perdi 2 quilos em um mês mas nada mais aconteceu.”
Sendo conservador, eu estimaria que 70% das pessoas experienciam benefícios substanciais além da perda de peso. Pode ser o alívio de um problema de pele como psoríase, alívio de problemas nas vias respiratórias como asma e sinusite crônica, alívio de problemas gastrointestinais como refluxo ácido e síndrome do intestino irritável, ou pode ser alívio da artrite simples ou da inflamatória como a artrite reumatóide. A série de problemas causados ou piorados por esta coisa não é nada menos que espantosa.
Não há nenhum componente isolado do trigo que seja responsável por sua miríade de efeitos adversos para a saúde. A proteína gliadina é responsável por efeitos inflamatórios diretos, enquanto ao mesmo tempo estimula o apetite. A proteína glúten é responsável pelo efeito inflamatório destrutivo no intestino e no sistema nervoso central. As lectinas no trigo provavelmente estão por trás do aumento da permeabilidade intestinal para múltiplas proteínas de fora que se cascateiam em problemas inflamatórios e auto-imunes como artrite reumatóide e lupus. A amilopectina A é responsável pela expansão da gordura visceral no abdômen, a “barriga de trigo” que por sua vez leva à inflamação, resistência à insulina, diabetes, artrite e doença cardíaca.
Fat Head: Então são primariamente o glúten e as lectinas no trigo que causam tantos problemas digestivos, ou há alguma outra coisa envolvida também?
Dr. Davis: Incrivelmente, ainda que o efeito do trigo no rompimento da saúde do sistema digestivo seja ubíquo – certamente é muito mais do que a doença celíaca – tem havido pouca exploração dos motivos. Então eu só posso especular o porquê do trigo exercer efeitos gastrointestinais tão frequentes e generalizados.
Provavelmente tem a ver com a gliadina, o glúten e as lectinas – um ou uma combinação de todos eles. Também estou convencido que há componentes no trigo além destes três que exercem efeitos adversos para a saúde que explicam por que eu vejo que o todo é maior que a soma das partes, isto é, que a remoção do trigo parece proporcionar maiores benefícios do que cada componente prejudicial sugeriria.
Fat Head: Todos os tipos de glúten são igualmente ruins ou alguns são piores que outros? Se alguns são piores, será o glúten do trigo moderno particularmente danoso?
Dr. Davis: A estrutura do amino ácido do glúten pode variar amplamente, mas todo glúten compartilha a viscoelasticidade característica desejada pelos padeiros e consumidores, a propriedade que permite ao pizzaiolo jogar a massa para o alto para dar forma à pizza e permite que as massas sejam moldadas em múltiplas formas.
As piores, mais nocivas formas de glúten são as variedades recentes criadas por geneticistas. As mudanças introduzidas na coleção de genes “D” características do trigo moderno semi-anão são provavelmente responsáveis por quadruplicar os casos de doença celíaca no nossos tempos, dobrando somente nos últimos vinte anos. Formas menos destrutivas de glúten são aquelas encontradas em variedades antigas de trigo como a eikorn, emmer e spelt – menos destrutivas, mas não inofensivas.
Minha visão: O glúten, em todas as suas formas, mas especialmente em suas formas modernas, é potencialmente tão destrutivo para a saúde humana que a solução ideal é dizer adeus a ele completamente.
Fat Head: Você aconselha a seus pacientes a ficarem livre do trigo, ou livres do trigo e do açúcar? Eu pergunto porque se eles se livram de ambos, algumas pessoas diriam que era o açúcar que estava causando problemas, não os grãos.
Dr. Davis: Sim, o açúcar está na lista a evitar. Não há dúvidas que, pelo menos para algumas pessoas, especialmente os mais jovens, a exposição ao açúcar em refrigerantes, junk foods e petiscos é um grande problema.
No entanto, apenas eliminar o açúcar e comer mais “saudáveis grãos integrais” faz a maioria das pessoas não perder peso, mas ganhá-lo. Esta é a luta de pessoas que acreditam que estão seguindo conselhos saudáveis para limitar os doces e comer mais “saudáveis grãos integrais” para depois se encontrarem 15, 20, 50 quilos além do peso ideal.
Troque a ordem, isto é, elimine todo o trigo, e o desejo por doces é quase sempre reduzido sensivelmente, já que a gliadina, a proteína do trigo estimulante de apetite foi eliminada. É uma tarefa bem mais fácil eliminar o trigo primeiro, ao invés de eliminar o açúcar primeiro.
E, é claro, não se trata apenas do peso. Se trata de todos os outros efeitos do trigo que mesmo o açúcar não pode provocar, como inflamação nas juntas, refluxo ácido, síndrome do intestino irritável, efeitos no cérebro, retenção de líquidos, etc.
Fat Head: No livro Nutrition and Physical Degeneration (Nutrição e Degeneração Física) do Dr. Weston A. Price, ele descreveu como pessoas em sociedades tradicionais fermentavam ou deixavam de molho os seus grãos antes de consumi-los. Você acredita que fazer isso torna os grãos um perigo menor para a saúde, ou o trigo mutante atual é muito cheio de proteínas problemáticas para se tornar seguro usando estes métodos?
Dr. Davis: Deixar de molho e fermentar transformam o trigo, uma coisa ruim, em uma forma que contém menos lectinas e menos glúten (entre outras alterações), uma coisa menos ruim. Mas devemos tomar cuidado para não cair na mesma armadilha que enganou nutricionistas e agências “oficiais”: Substituir uma coisa ruim (farinha branca) por uma coisa menos ruim (grãos integrais), e então consumir bastante desta coisa menos ruim é bom para você. Esta é a lógica falha que nos levou a esta confusão.
Deixar de molho, por exemplo, reduz o conteúdo de lectinas em cerca de 35% – melhor, mas não ótimo. Você ainda estará exposto a todos os efeitos adversos do trigo, que incluem o estímulo de apetite da gliadina, altos níveis de açúcar no sangue da amilopectina A, respostas inflamatórias dos glútens e das gluteninas, e aumento da permeabilidade intestinal a proteínas de externas pelas lectinas.
Da mesma forma, a fermentação reduz a carga de carboidratos mas deixa os outros aspectos indesejáveis do trigo intactos. Melhor, claro, mas ainda não é ótimo.
Até os geneticistas estão tentando fazer a re-engenharia do trigo para torná-lo menos nocivo. Uma área de pesquisa é tentar remover todas as sequências mais destrutivas do glúten. Como usual, eles entendem a genética da planta mas não entendem nada dos efeitos do consumo desta planta na saúde humana.
Então não importa o que um padeiro ou geneticista faça para maquiar esta coisa, ela continua essencialmente a mesma, com os mesmos efeitos estimulantes de apetite, alteradores de mente, inflamatórios, auto imunes e acumuladores de peso.
Fat Head: E os outros grãos como aveia, amaranto e trigo mourisco (ou sarraceno)? Eles fazem bem ou são tão ruins quanto o trigo?
Dr. Davis: A aveia, de fato, têm sobreposição imunológica modesta com trigo. Mas o problema com a aveia recai na sua capacidade extravagante de elevar os níveis de açúcar no sangue. Uma tigela de farinha de aveia orgânica – sem adição de açúcar – pode elevar o açúcar no sangue em uma pessoa não diabética a 150 mg/dl, 200 mg/dl, as vezes até mais. Em um pré-diabético ou diabético, 300 mg/dl não é incomum. Uma das estratégias que eu ensino aos pacientes é a medir a glicose no sangue uma hora depois de uma refeição para averiguar a severidade da elevação do açúcar no sangue; foi aí que eu vi, caso após caso, níveis extravagantemente altos de açúcar no sangue após o consumo de aveia.
Amaranto e trigo sarraceno são grãos que, para todos os efeitos, são apenas carboidratos. Eles não possuem os efeitos negativos do trigo. Como a aveia, no entanto, eles elevam os níveis de açúcar no sangue, seguido de todos os efeitos adversos deste fenômeno (resistência à insulina, glicação nos olhos, cartilagens, artérias e partículas de LDL). Então eu digo para as pessoas consumirem estes grãos em pequenas quantidades, ou seja, porções de não mais que meia xícara (cozidas) no contexto de uma dieta com carboidratos limitados (40 a 50 gramas por dia para a maioria das pessoas).
Fat Head: Que tipo de reação o seu livro despertou? Ou ainda é cedo para julgar?
Dr. Davis: A reação tem sido incrível. Nos primeiros 9 dias após o lançamento, Wheat Belly entrou para a lista dos mais vendidos do The New York Times.
Mas ainda mais importante para mim, diariamente eu ouço sobre a diferença que esta mensagem está fazendo na vida das pessoas: perda de peso rápida onde pouca ou nenhuma estava ocorrendo; alívio de dores crônicas; níveis de açúcar no sangue despencando, etc. O que tem sido especialmente gratificante é que, graças ao feedback instantâneo das mídias sociais, eu fico sabendo destas histórias apenas dias depois das experiências dos leitores. Mesmo no meu consultório, eu geralmente espero vários meses para ter o feedback dos resultados dos pacientes livres do trigo. Agora fico sabendo sobre eles literalmente em dias. A efusão de feedbacks positivos tem sido absolutamente maravilhosa e reforçou ainda mais a minha convicção que este é um dos maiores problemas de saúde do nosso tempo.
Fat Head: Você ouviu algo dos chamados especialistas que insistem que os grãos integrais são parte de uma dieta saudável? Eu assumo que você não seja muito popular com esse pessoal atualmente.
Dr. Davis: A nutrição é um tópico importante. Mas é também um tópico surpreendentemente emocional. Nutricionistas e outros “especialistas” em nutrição tem sido tão profundamente doutrinados no argumento “grãos integrais são bons” que sua reação instantânea é a raiva, e que isso é uma modinha boba passageira para perda de peso rápido. Qualquer um que tenha lido o livro percebe que isto é precisamente o que Wheat Belly não é. Ele expõe todas as coisas que não lhe disseram sobre este grão geneticamente alterado, construído para aumentar o rendimento mas também aumentar o apetite.
Grupos de comércio de trigo, como a Grain Foods Foundation, emitiram comunicados de imprensa declarando sua intenção de lançar uma campanha pública para desacreditar a mim e à mensagem que trago com o Wheat Belly. Em resposta, eu publiquei uma carta aberta que também enviei por diversas mídias, convidando-os a se juntar a mim em um debate público, com câmeras de TV e tudo; eles ainda não aceitaram o meu convite – e suspeito que nunca aceitarão. Com o que eu revelei, eu duvido que eles queiram uma exposição pública de todos estes argumentos.
Fat Head: Última pergunta… Agora que o livro foi lançado, você alguma vez perde o sono à noite, pensando se as boas pessoas da Monsanto e Pillsbury estarão planejando seu sumiço? Porque se eu fosse você, eu evitaria becos escuros por em tempo.
Dr. Davis: Obrigado pelo aviso, Tom! Esta campanha anti-trigo faz inimigos em algumas forças muito influentes, incluindo a indústria alimentícia, o agronegócio, grupos de comércio de trigo e, para minha grade surpresa, a indústria farmacêutica. Eu fiquei chocado recentemente (ainda que eu suponho que não deveria ficar, sabendo do que algumas pessoas são capazes) de saber que pelo menos um grupo de comércio de trigo é largamente populado por pessoas na folha de pagamento da indústria farmacêutica. Agora, isso é uma coisa preocupante.
O que me mantém focado na transmissão desta mensagem, no entanto, são as maravilhosas histórias que eu continuo ouvindo diariamente de pessoas redescobrindo sua saúde perdida, alívio de dores, etc., tudo fazendo o oposto do que nossas agências oficiais nos dizem para fazer e fugindo para longe dos “saudáveis grãos integrais”.
Fat Head: Muito obrigado pelo tempo cedido para responder nossas questões, Dr. Davis. Eu espero que você venda um milhão de cópias.

Fonte: Vida Primal

Comida Viva, Crudivorismo, Raw Food....


Porquê comer crú e largar a dieta padrão do arroz, feijão e carne?
   Como os seres humanos se afastaram dos trópicos, eles começaram a comer a carne dos animais para substituir a falta de frutas e legumes. A agricultura de grãos, a caça de animais e a dependência da civilização em comê-los cozidos veio nos últimos 10.000 anos (o que representa menos de 1% do tempo que nossa espécie caminha pelo planeta), o mesmo período de tempo o homem vem utilizando o fogo para preparar alimentos.  Como tal, alimentos cozidos são consideradas um dos principais contribuintes para as chamadas doenças da civilização: câncer, doenças cardíacas e diabetes.
   Não há base científica para comer comida cozida. Animais semelhantes prosperam em dietas semelhantes, anatomicamente, humanos são classificados como primatas-antropóides , como gibões, chimpanzés, bonobos, gorilas e orogotangos. Não há outros exemplo de animais na natureza nessa classificação que consuma grãos. Todos eles consomem na maior parte frutas, folhas e castanhas (comem ocasionalmente insetos e pequenos invertebrados, mas representa menos de 1% da dieta e isso ocorre em época de escassez).  Grãos são para pássaros.
   O sistema imunológico, muitas vezes reage à introdução de alimentos cozidos na corrente sangüínea da mesma maneira que faz a patógenos estranhos, como bactérias, vírus e fungos. Tal processo é chamado de leucocitose digestiva, após um almoço de comida cozida, o nível de leucócitos atinge o mesmo nível do que se teria em uma grave infecção. (tal fato pode ser comprovado por um simples exame de hemograma)
   A energia que seria gasta para recompor células velhas, corrigir problemas, atacar fungos, bactérias e vírus é gasta nesse processo da leucocitose digestiva.
    Outro grande problema é o consumo de carne e derivados de animais como o leite, ricos em gordura que exige bastante suco gástrico ácido que eleva a acidez no sangue, causando diversos problemas como o roubo de cálcio dos ossos para estabilizar o PH. O sangue ácido é um sinal verde para as bactérias, indicando que o animal morreu e que elas já podem fazer a decomposição. O alto consumo de lipídio (gordura, óleos) mesmo sendo vegetal e crú contribui para esse fato, bem como o entupimento de veias e artérias. Ácido úrico é também um problema bastante comum entre os comedores de carne.  Países que consomem mais leite tem a maior incidência de descalcificação, fratura nos ossos e maior incidência de catarata.
     O pâncreas, produtor de enzimas que digerem o alimento, em um homem adulto é o que tem maior dimensão em relação ao tamanho corporal se comparado com todos os outros animais, tal fato se deve ao alimento cozido que tem suas enzimas destruídas pelo aquecimento. Alimentos crús contém a maioria das enzimas que farão sua própria digestão.
Os alimentos cozidos fazem com que o organismo crie uma camada de muco ao longo do aparelho digestivo para evitar o contato com as toxinas, porém a absorção de nutrientes cai drasticamente.
Como se pode ver, a alimentação padrão de grãos cozidos e carnes desprendem grande quantidade de energia para sua própria digestão, desviando energia que revitalizaria o corpo, além de conterem em grande parte calorias vazias, sem nutrientes essenciais, levando pessoas á serem obesas e mal nutridas. 
O aquecimento de amidos também libera toxinas que viciam como a acrilamida. Até mesmo o famoso glutamato monossódico usado como aditivo na indústria alimentar é formado pelo processo de cozimento de temperos , proteína de soja e outros.

Pessoas podem e tem sobrevivido por muito tempo com a dieta padrão, porém não podem prosperar em saúde e vitalidade, raramente passam dos 70 anos tendo uma vida com qualidade e disposição física para exercícios pesados. Até mesmo os jovens de porte atleta hoje em dia estão morrendo de problemas vasculares e câncer !   O hábito de alimentar 100% crú, além de reverter essa regra, é capaz de curar inúmeros de casos de doenças, há muitos relatos de cura do câncer , doenças crônicas e algumas tidas como genéticas.

Todos os povos civilizados  que se basearam na agricultura de grãos e a domesticação de animais para consumo humano  entraram em colapso segundo o estudo de vários pesquisadores e antropólogos, entre o motivo principal está a fuga de nossa função biológica, que é comer e espalhar as sementes das frutas, contribuindo para o crescimento e diversidade das florestas.  
 Já imaginaram se 10 mil anos atrás , ao invés de destruir as florestas para plantar grãos e criar animais,  tivessemos espalhado as sementes de frutíferas por onde passassemos? haveriam imensas florestas abundantes, diversificadas, ninguem passaria fome, nem teria que se sujeitar á trabalhos degradantes, insalubres , uma vida sem sentido que está nos levando á auto-extinção em questão de décadas!
 Florestas criam recursos , já os campos de cultivo de grãos sugam recursos , eliminan toda a diversidade de vida, são dependentes de exaustivo trabalho e só existem devido á revolução verde, que na verdade não tem nada de verde, é extremamente dependente de Petróleo.
Técnicas de Agroflorestas para a produção de frutas são extremamente eficientes , não dependem sequer de insumos externos, é a única solução técnica viável atualmente para resolver todo o problema ambiental, de saúde e de fome no planeta.
Segundo o livro Grain Damage, até mesmo uma área com um pomar de fruticultura, nos modelos tradicionais são capazes de alimentar 250% de pessoas á mais do que  uma mesma área com plantio de grãos!

Existem várias abordagens sobre o crudivorismo?

     Sim, a maioria das dietas crudívoras (alimentação crua) são vegetarianas, pois a carne crua e sem temperos exala um cheiro característico que inibe naturalmente a fome do ser humano.
Algumas tem como base o consumo de grãos , porém passam pelo processo de germinação, para que todos anti-nutrientes e toxinas sejam eliminados. Como os grãos não são palatáveis, utilizam temperos dos mais variados tipos, como sal marinho, cebola, pimenta, alho e azeite prensado á frio. Pratos elegantes , receitas misturadas e sucos verdes fazem parte dessa vertente do crudivorismo no Brasil. Deve se prestar atenção á esse tipo de dieta, pois acabam comendo lipídios em excesso, fazendo má combinações alimentares, tendo quase o mesmo efeito que a alimentação padrão.Essa frente geralmente utiliza-se de fundamentos místicos/espirituais para justificar argumentos nutricionais e dependem exclusivamente de liquidificadores, algo nada natural  para nosso sistema digestivo, não focam a dieta em calorias, mas em uma energia não mensurável denominada por eles de ¨energia vital¨. 
  O frutarianismo é também uma dieta geralmente crua e está baseada apenas no consumo de frutas (algumas vezes está ligada à questões religiosas) . Porém essa dieta pode ser insustentável por longos períodos, há quem viva comendo só frutas por toda a vida, mas não terá saúde próspera. Os verdes (folhas) trazem vários benefícios à circulação , e levam oxigênio ao intestino através da clorofila , reduzindo as bactérias anaeróbicas que são maléficas e aumentando a relação das aeróbicas que fazem bem ao organismo , liberando nutrientes e vitaminas.  As folhas também são fibras insolúveis, que funcionam como esponjas, absorvendo resíduos tóxicos.
Grande parte dos sais  minerais como o sódio estão nas folhas verdes, na natureza não há nenhum animal que coma apenas frutas.
  O site abordará apenas o frugivorismo (frutas e folhas) hipo-lipídico, moldado na dieta 80/10/10®.

E a dieta 80/10/10 ® * ? (não confundir dieta com regime alimentar)
A dieta 80/10/10 é também uma forma de crudivorismo vegano predominantemente frugívoro (frutas e folhas) porém hipo-lipídica (pouca gordura)  e higienista, ela foi cunhada pelo nutricionista esportivo Douglas Graham á mais de vinte anos atrás, sendo utilizada com sucesso por muitos atletas amadores e profissionais, bem como não-atletas para alcançar um desempenho superior e saúde. Os números 80/10/10 referem-se a limitar o percentual de calorias, em média, ao longo do tempo , que são obtidas a partir dos três macronutrientes do alimento: carboidratos, proteínas e gordura, respectivamente, em média, um mínimo de 80% de suas calorias virão de carboidratos simples, um máximo de 10% de proteína, e um máximo de 10% de gordura. Assim, a maioria em uma dieta de 2000 calorias por dia, um mínimo de 1.600 calorias virão de carboidratos, um máximo de 200 da proteína, e um máximo de 200 a partir de gordura, em média durante um mês ou um longo período de tempo. 90 - 95% de suas calorias devem ser provenientes de frutas doces, 2-6% a partir de verduras, legumes e frutas não-doce(alface,tomate, pepino, etc) e 0 - 8% de nozes e sementes.(a semente de girassol é única recomendada, porém opcional, nozes  e castanhas também são opcionais, 3 por dia no máximo para uma dieta entre 2000 á 2500kcal)
Na prática, manter essa proporçao de macronutrientes é bem simples , basta comer as frutas mais comuns e evitar as que contém gordura.
Isso geralmente é realizado com duas ou três grandes refeições de frutas durante o dia (monorefeições) e uma GRANDE salada à noite.
Coincidentemente, a proporção 80/10/10 é a mesma dieta em que nossos parentes mais próximos, os primatas comem e prosperam.
A própria natureza nos protege fisiologicamente e fisicamente da alta ingestão de proteínas e gorduras, as gorduras como o óleo vegetal não está disponível na natureza em quantidades concentradas, os cocos apresentam grandes barreiras para que se chegue até a castanha, uma grande refeição de coco ou abacate causa mal estar e enjôo. As fontes de proteínas concentradas sempre estão aliadas á gordura, alimentos protéicos como as nozes e castanhas sempre tem uma quantidade muito maior de gordura.

O quê comer na 80/10/10?
Todos alimentos crús em que a pessoa consegue fazer uma mono-refeição (um único alimento) até se satisfazer ,sem ter dificuldades para processar ou ter que temperar , sentir um bom paladar e não ter efeitos colaterais pode ser considerado um alimento essencial. A maioria das frutas tem essa característica. Abacates devem ser consumidos com moderação devido ao alto teor de gordura.
Castanhas e nozes:
Castanhas do pará, nozes chilenas podem ser consumidas com moderação, respeitando o limite 80/10/10, na prática só 3 castanhas por dia se quiser.
Se for comer coco, preferir ele mais jovem, e nunca consumir um por dia.

Geralmente, apesar do selo de aprovação incondicional destes alimentos por parte de especialistas de nutrição,  o fato é que a maioria dos produtos alimentares não são os ideais humanos. Se o nosso paladar e os sentidos não estavam pervertidos por anos de práticas abusivas de comer, nós seríamos capazes de julgar a sua falta de adequação do seu sabor desagradável, cheiro e aparência. Faltando esta habilidade, podemos compensar com o nosso conhecimento que estes alimentos são difíceis de digerir e até mesmo tóxicas em alguns casos.

Vegetais Crucíferos (Brócolis,Couve-flor, Repolho,Couves, Espinafre) :
Todos são desqualificados como ótimos ou mesmo adequado, devido ao alto conteúdo de celulose. Nossos corpos têm uma capacidade limitada para acessar os nutrientes incorporados na estrutura da celulose . Estes vegetais contêm também irritante e ácido oxálico indigesto e são desagradáveis de comer em seu estado bruto. A exceção a esta categoria é espinafre com folhas mais novas, que que a maioria das pessoas descrevem como um sabor agradável e é relativamente fácil de digerir, em quantidades moderadas pois o seu teor de ácido oxálico é baixa neste momento no seu crescimento. (O livro 80/10/10 Diet é mais flexível em relação á couve-flor, repolho e brócolis, indicando eles inclusive em receitas de saladas)

Sementes cruas não precisam ser comidas, mesmo que germinadas.( Na 80/10/10 recomendam apenas o girassol caso queira consumir)

Condimentos e temperos também NUNCA (sal, cebola branca,  pimenta, alho,rabanete..) pois contêm ácidos e alcalóides tóxicos que irritam os tecidos e negativamente excitam terminações nervosas.As reações são facilmente confundidas como "energizadoras" do corpo, quando na realidade o corpo está perdendo suas energias e criando resíduos metabólicos desnecessários, uma vez que está gastando para eliminar as substâncias nocivas.
(Obs: O único tempero que uso em saladas ás vezes é o limão) 

Brotos: contém alto teor de celulose (difícil digestão) e poucas calorias. portanto Não.

Aipo (Salsão): Um alimento rico em água e minerais,  de fácil digestão e altamente alcalino. Apenas o caule é comestível, é uma ótima opção para se fazer molhos com manga ou tomate e jogar por cima do alface.

Pimentão: pode ser consumido , mas nunca verde.

Quanto devo comer?

Muitas pessoas ao entrar na 811 trazem consigo o costume antigo de comer frutas apenas como sobremesa em baixa quantidade e esquecem de que na 811 as frutas são o prato principal, e acabam assim comendo poucas calorias, perdendo peso excessivamente.

Nosso organismo gasta energia para se manter vivo em estado vegetativo, que é o chamado metabolismo basal, que a grosso modo pode ser calculado da seguinte forma: peso(em kg) multiplicado por 20 , onde o resultado é o gasto de energia em kcal.
Exemplo: uma pessoa de 60kg : 60x20=1200kcal de gasto com o metabolismo basal.
As demais energias são gastas em exercícios físicos como correr, subir escada, nadar, etc.

O Dr Graham recomenda gastar a mesma quantidade do basal em exercícios físicos, portanto a pessoa de 60kg precisaria ingerir 2400kcal diárias, se fossemos calcular em bananas á ser ingeridas, seria mais de 24 bananas nanica! (cada nanica tem 90kcal) ou seja, um volume enorme para quem está acostumado á comer alimentos refinados gordurosos e sem água.

Porque fazer Mono-refeições?
As monorefeições constituem em refeições de um único alimento de cada vez, para uma melhor digestão.
O ideal seria no máximo duas ou três monorefeições por dia e uma grande salada de verdes bem combinada ao fim do dia.(ex:alface e tomate..)
UM alimento só pode ser digerido em UM sistema digestivo em UM determinado instante, para digerirmos mais de um alimento ao mesmo tempo, precisaríamos de outros sistemas digestivos independentes no mesmo corpo , algo que não existe em nenhuma espécie animal.
Cada alimento precisa de uma enzima específica para digestão, lugares diferentes do sistema digestivo, PH diferentes,sucos digestivos diferentes, enzimas específicas trabalham em PHs diferentes.
A má combinação alimentar resulta em péssima absorção de nutrientes, fermentação e putrefação, liberando substâncias tóxicas como por exemplo o metanol.
Até mesmos os onívoros como os ursos, nunca comem peixes , mel ou vegetais juntos.
Na natureza, os primatas e o ser humano comem de um determinado alimento até se satisfazer caloricamente, diferente dos herbívoros que comem o dia todo.
É primordial não comer entre as 0:00 e 0:05 horas , pois é nesse intervalo que o organismo está eliminando toxinas e recompondo os tecidos, a ingestão de alimentos nesse horário roubaria toda a energia desse processo.
O ideal seria fazer apenas monorefeições até que sejam eliminadas , porém comer uma janta de alface puro geralmente não é agradável, apesar de muitos conseguirem, portanto saber combinar a salada com folhas é fundamental, algumas regrinhas são válidas:
- melão e melancia não combina com nada
- frutas acidas e doces não podem sem comidas juntas (ex:  banana e abacaxi, banana e laranja..)
- futras gordas , nozes não podem ser ingeridos com doces (ex: abacate e banana, castanha e banana)
Logicamente, uma pessoa que vem da dieta padrão não conseguirá fazer apenas uma monorefeição por exemplo de 20 bananas ao meio dia e uma salada de jantar, porque seu estômago está acostumado com alimentos refinados, a prática de comer grandes quantidades calóricas em uma única refeição se dará ao longo do tempo . Fazer 3 monorefeições e uma salada verde é de fácil aceitação para os iniciantes.
Uma boa sugestão pra saladas é alface com manga , alface com tomate e manga, alface com banana, alface com tomate e pepino. Há quem faça molhos de manga com pimentão  e jogue por cima do alface.   No site tem várias dicas.

A variedade de frutas ingeridas se dá ao longo do ano, devemos comer aquelas que são predominantemente da época, pois sempre serão mais saudáveis e baratas.

A Informação contida nesse site é apenas um resumo simplista, insuficiente para quem quiser seguir a dieta 80/10/10,  Para mais informaçoes, visitem o site  (espalhandosementes) e leiam os livros do Dr Graham :  Grain Damage e o 80/10/10 diet.

TERMO DE RESPONSABILIDADE A utilização das informações contidas neste site são de inteira responsabilidade do leitor . O site e seus responsáveis não se responsabilizam pelo mal uso das informações nele contidas ou por qualquer tipo de dano que estas informações possam originar. O site tem como objetivo principal difundir a dieta 811 e os princípios higienistas, baseados apenas em informações colhidas ao longo do tempo e por experiências pessoais, com fins meramente didáticos e científicos. Para qualquer mudança em hábitos, dieta e estilo de vida, procure seu médico ou nutricionista.

Use a calculadora:

Copyleft; Todo o conteúdo do site pode ser copiado e distribuído desde que citadas as fontes de origem.
* 80/10/10 , 811,  811-RV é marca registrada do Dr Graham.

segunda-feira, 22 de outubro de 2012

Sushi vivo - Receita

1 xícara de amendoim germinado (ou girassol descascado), 
4 folhas tenras de couve, brotos de alfafa, 
1 cenoura peq. cortada em palitos pequenos, 
½ beterraba peq. ralada, 
½ abacate peq. em cubos pequenos, 
1 limão, 
salsa/cebolinha picadinhos, 

Preparo: processe o amendoim (ou girassol) com sal e o suco de 1 limão, junte a salsinha. Reservar. 

retire a parte mais grossa do talo da couve para que possa ser enrolada.
Em uma esteira de sushi ou com a mão, fazer mini rocamboles recheando as folhas da couve com a pasta de sementes, a cenoura, a beterraba e o abacate (opcional acrescentar morango ou manga).
Cortar em formato de sushi, arrumar em uma travessa e decorar com brotos por cima de cada rolinha.

Acompanhar com molho shoyu, gengibre ralado, cebolinha picada e gergelim germinado.

visite o site:

Sushi de couve flor e vegetais!!!


Folhas de Alga Nori para Sushi
Legumes e frutas cortados em tiras 
1 couve flor 
1/4 de copo de vinagre de arroz ou de sidra bio 
 sal dos Himalaias q.b.

  1. Triture a couve flor num processador.
  2. Coloque o vinagre de arroz e o sal dos Himalaias na couve flor triturada e envolva muito bem com uma colher. Reserve.
  3. Corte os seus legumes e frutas preferidas em tiras finas. Pode ser courgette, pepino, cenoura, manga, morango, ananás, abacate, tomate, etc. Usem a vossa imaginação.
  4. Peguem numa folha de alga nori e deixem o lado brilhante para baixo. Coloquem bastante couve flor por cima metade da folha, deixem a metade da parte superior livre.
  5. Coloquem as vossas tiras de legumes perto do início da folha, por cima da couve flor.
  6. Agora chegou o momento de enrolar. Enrolem com cuidado e na parte que deixaram livre coloquem um pouco de vinagre de arroz para ajudar a fechar o rolo. 
  7. Usem uma faca de serrilha para cortar em fatias de sushi. Ou uma faca muito afiada sempre molhada (água)

 Desfrutem! E sim, é absolutamente maravilhoso eu sei, podem agradecer-me depois :) 
 Podem usar um esteira de sushi para ajudar a enrolar, no entanto eu usei apenas um guardanapo envolto em película adentre (papel filme) ficou excelente na mesma! 

Direitos do Leite da terra

Todos os direitos reservados. Nenhuma parte poderá ser reproduzida, de forma alguma, sem a permissão formal por escrito do seu autor, excepto as citações incorporadas em artigos e ou postes com os devidos créditos